UFJF e MOC encaram adversários em momentos distintos na tabela

Time da Zona da Mata pega o vice-líder Funvic-Taubaté-SP, em casa, enquanto o Pequi Atômico quer confirmar sua posição na zona de classificação diante do lanterna

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Rodrigo reforça a importância do saque diante do segundo colocado
ALEXANDRE ARRUDA
Rodrigo reforça a importância do saque diante do segundo colocado

Os dois times do interior mineiro na Superliga masculina têm desafios contra times em momentos opostos no campeonato, nesta quarta-feira. Enquanto o Montes Claros Vôlei encara o lanterna São Bernardo Vôlei-SP, às 19h, no ABC paulista, a UFJF enfrenta o vice-líder Funvic-Taubaté, às 20h, na Zona da Mata.

O Pequi Atômico, independentemente dos resultados da 8ª rodada do returno, vai continuar na zona de classificação. Atualmente em oitavo lugar, a equipe não quer dar chance para o azar e uma vitória pode fazer o time pular duas posições na tabela, indo da oitava para a sexta posição, dependendo dos outros resultados. Encarar um time que venceu apenas dois dos 17 jogos é uma boa possibilidade de somar pontos e confirmar presença no grupo dos que passam para os playoffs. No turno, deu MOC, em casa, por 3 a 1. 

Já a UFJF ainda briga para entrar no G-8. Em 10º lugar e a seis pontos do Montes Claros, o time do interior terá pela frente um dos favoritos ao título que não chega em um momento tão favorável.

O Taubaté teve três vitórias nos últimos jogos, mas todas foram conquistadas somente no quinto set, contra Voleisul-Paquetá-Esportes-RS, MOC e São José dos Campos-SP, equipes de investimentos bem diferentes. Além disso, o time do Vale do Paraíba não contará com o oposto Leozão, com o central Sidão e com o ponta Lipe, todos contundidos. No primeiro turno, deu Taubaté, por 3 a 1. 

O máximo que os paulistas podem chegar, na classificação, é na segunda posição. No entanto, o objetivo momentâneo do time é outro. “Não estamos pensando muito na classificação neste momento. Nosso foco está em readquirir o ritmo de jogo em que estávamos, apesar das perdas temporárias”, indica o levantador Rapha.

Ainda sonhando com a classificação inédita, a UFJF quer usar o saque como arma para ficar mais próximo da vitória. “O Raphael é um dos melhores levantadores do mundo, multicampeão nos times por onde passou e é preciso forçar o saque para tirar o passe das suas mãos. Sabemos que, com facilidade para levantar, o Rapha é uma peça fundamental e faz toda a diferença”, elogia seu companheiro de posição, Rodrigo, da UFJF.

Mesmo com o compromisso pela nacional pela frente, o Taubaté não esconde o pensamento mais a frente. “O objetivo mais próximo é o Sul-Americano de Clubes, que vamos disputar na semana que vem e precisamos recuperar esses jogadores. Claro que enfrentar a UFJF sem contar com todos dificulta para o nosso lado, mas precisamos saber administrar essa questão”, mostra Rapha.