Pronto Atendimento do único hospital de Santa Luzia fechou

O contrato entre a prefeitura da cidade e o hospital foi encerrado e quem procurou atendimento no local não conseguiu

iG Minas Gerais | Natália Oliveira |

Oferta. 
Aproximadamente 5.500 pacientes são atendidos em hospital de Santa Luzia todos os meses
CHARLES SILVA DUARTE / O TEMPO
Oferta. Aproximadamente 5.500 pacientes são atendidos em hospital de Santa Luzia todos os meses

O Pronto Atendimento do hospital filantrópico São João de Deus em Santa Luzia, na região metropolitana da capital, amanheceu fechado nesta segunda-feira (2). O contrato entre a prefeitura da cidade e o hospital foi encerrado e quem procurou atendimento no local não conseguiu. O hospital é o único da cidade e agora o atendimento de urgência e emergência passa a ser feito na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Santa Luzia, no bairro São Benedito.

“É uma perda muito grande para o município faiamos cerca de 5.500 mil atendimentos por mês na urgência e emergência”, alega Fábio Ferreira, provedor da unidade. Por meio de nota a prefeitura, informou que o hospital não cumpriu o contrato feito em novembro de 2013 que previa a ampliação do atendimento, não atendendo nenhum caso de pediatria e de obstetrícia. Com o fechamento da unidade, 60 funcionários foram demitidos.

“A Prefeitura resolveu não renovar o contrato, assumindo novamente o serviço de atendimento urgência/emergência, deixando que o Hospital atenda suas funções de origem, ou seja, internações, consultas e procedimentos de alta e média complexidade”, informou a nota. A prefeitura garantiu que não haverá sobrecarga na UPA e que o atendimento no local foi reforçado.

De acordo com Ferreira, o dinheiro investido não foi suficiente para pagar os médicos e as despesas do hospital e por isso os serviços não estavam sendo realizados. “Nos primeiros quatro meses recebemos 1,3 milhão, mas depois o repasse caiu para R$ 900 mil e nossos gastos já eram de 1,1 milhão”, destacou.

Ainda segundo o provedor, um outro problema é que o salário dos médicos na unidade eram inferiores ao dos outros profissionais da rede municipal.  “Os médicos somente poderiam ser contratados por pouco mais de R$ 1 mil, enquanto os médicos de outras unidades recebem um valor maior, com isso estávamos também com dificuldades na contratação dos profissionais”, explicou Ferreira. 

O Hospital chegou a ficar fechado entre julho e novembro de 2013, quando foi firmado o contrato com o executivo, visando a reabertura da unidade. O contrato era de 1,3 milhão mensal e valia até novembro do ano passado.

Os moradores da cidade vão fazer um protesto em frente a Câmara Municipal de Santa Luzia contra o fechamento da unidade. A unidade vai continuar realizando os atendimento eletivos e as cirurgia. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave