Entidades iranianas anunciam novo concurso de charges sobre Holocausto

Edição deste ano é organizada pelo centro cultural Sarcheshmeh e a Casa Iraniana de Cartum; primeiro lugar receberá um prêmio em dinheiro de US$ 12 mil

iG Minas Gerais | Folhapress |

Secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, diz que ataque ao jornal francês Charlie Hebdo foi um
Yoan Valat/Agência Lusa/direitos reservados
Secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, diz que ataque ao jornal francês Charlie Hebdo foi um "ato bárbaro

Em protesto à representação do profeta Maomé no jornal francês 'Charlie Hebdo', duas organizações iranianas anunciaram a segunda edição de um concurso internacional que premiará charges sobre o Holocausto, informou o "Tehran Times".

A primeira edição do prêmio ocorreu em 2006, após o jornal dinamarquês "Jyllands-Postens" representar o profeta Maomé em charges satíricas.

A edição deste ano é organizada pelo centro cultural Sarcheshmeh e a Casa Iraniana de Cartum. O primeiro lugar receberá um prêmio em dinheiro de US$ 12 mil. Já os segundo e terceiro lugares ganharão US$ 8 mil e US$ 5 mil, respectivamente. Os trabalhos selecionados também serão exibidos no Museu Palestino de Arte Contemporânea, em Teerã.

Brasileiros

O segundo colocado da edição de 2006 foi o brasileiro Carlos Latuff, conhecido internacionalmente pela militância em favor dos palestinos. Seu desenho mostrava um palestino com o uniforme de um prisioneiro de um campo de concentração.

O prêmio principal foi dado ao marroquino Abdellah Derkaoui, com a charge de um tanque israelense levantando um muro com a imagem do campo de concentração de Auschwitz diante da mesquita de Al Aqsa, em Jerusalém.

Com 21 cartunistas selecionados naquele concurso, o Brasil ficou em terceiro lugar em número de participantes, atrás apenas do Irã -anfitrião do evento, com 157 cartunistas- e da Turquia, com 31. A iniciativa, que teve o apoio do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, foi amplamente condenada por organizações judaicas.