Média de temperatura de janeiro foi quase 3º maior do que o normal

A média histórica é de 28,2º C, enquanto os levantamentos no primeiro mês do ano feitos pelo Instituto Nacional de Meteorologia indicam uma média de 31º

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Precário. 
Represa Serra Azul e demais reservatórios precisam de obras para ampliar a vazão
Uarlen Valério
Precário. Represa Serra Azul e demais reservatórios precisam de obras para ampliar a vazão

O mês de janeiro de 2015 teve uma média de temperatura quase 3º maior do que a média histórica em Minas Gerais. Segundo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o mês teve uma média de 31º quando o normal é de 28,2º. Apesar disso, o primeiro mês do ano não chegou a bater recorde de temperatura máxima registrada, já que, segundo o meteorologista Luiz Ladeia, a maior temperatura registrada foi de 35,1º.

"A máxima absoluta que já atingimos foi 35,4º no dia 30 de janeiro de 1988. Às vezes focalizamos em um único dia, mas o mais importante é a sequência de dias quentes e sem o registro de chuvas, que foi o que ocorreu este ano em nosso Estado. A média do mês foi de 31º, o que dá 2,8º a mais do que a média histórica", precisou o meteorologista. Ainda de acordo com ele, janeiro não foi o mês mais quente da história do Estado, já que até mesmo recentemente, em 2006, a média foi maior.

De acordo com o instituto, a alta na média de temperatura do mês é consequência da baixa precipitação registrada em todo o Estado. "A perspectiva era de que choveria 296,3 mm em janeiro e o que aconteceu foi que tivemos 94,8 mm, muito abaixo do que esperávamos. Pior do que isso só vivemos em 1995, quando o índice foi de 90,2 mm em janeiro, um dos piores da história", disse Ladeia.

O problema é que a falta de chuva já vem atingindo Minas Gerais desde dezembro, quando era esperado que chovesse 319,4 mm. "No último mês de 2014 choveu cerca de 43% do esperado, com 137,9 mm. Por isso estamos com essa situação tão difícil", lembrou.

Para fevereiro, o Inmet prevê que a chuva será dentro da média esperada em Belo Horizonte, com 188 mm distribuídos entre 12 dias do mês. Março também conta com um certo percentual de chuva, mas o esperado pelo instituto cai para 163,5 mm distribuídos em poucos dias do mês.

"Mesmo que chova o esperado, certamente os próximos dois meses não serão suficientes para normalizar os níveis dos reservatórios. Esperamos que seja suficiente pelo menos para os pequenos agricultores se recuperarem", acredita o meteorologista.

Previsão para BH

A Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec), divulgou nesta segunda-feira (2)  que a frente fria que atingia o continente começa a perder força, porém o tempo ainda permanecerá instável sobre parte do Sudeste do país. Na capital mineira, esta segunda será de céu parcialmente nublado e existe a previsão de chuvas localizadas a partir da tarde. As temperaturas oscilam entre 21 e 31°.

Já nesta terça-feira (3), o dia será de muita nebulosidade com curtos períodos de sol e sujeito a pancadas de chuva com trovoadas, sendo que as temperaturas deverão variar entre 20º e 30°. Na quarta-feira (4) o tempo deverá permanecer instável, com o céu nublado, curtos períodos de sol e sujeito a pancadas de chuva com trovoadas, reduzindo a temperatura máximas para 27º.

Para quinta-feira (5) e sexta-feira (6), ainda de acordo com a Comdec, as condições meteorológicas estarão favoráveis à ocorrência de chuvas significativas, acompanhadas de descarga elétrica e trovoadas. Com isso, nos dois últimos dias da semana as temperaturas deverão cair ainda mais, com mínima prevista para 19º e máxima de 25º.

Leia tudo sobre: secacalorjaneiromês mais quentetemperaturafalta de chuvacrise hídricacopasa