Egito condena 183 islamitas à pena de morte

Tribunal já havia recomendado a decisão em 2 de dezembro; sentença, porém, precisava do aval do mufti Shauqui Alam, a mais alta autoridade religiosa do país

iG Minas Gerais | Folhapress |

A Justiça egípcia condenou nesta segunda (2) 183 islamitas à pena de morte pelo assassinato de ao menos 13 policiais em um ataque realizado em agosto de 2013 à delegacia de Kerdasa, cidade a cerca de 15 km da capital do país, Cairo.

O tribunal já havia recomendado a decisão em 2 de dezembro. A sentença, porém, precisava do aval do mufti Shauqui Alam, a mais alta autoridade religiosa do país.

Segundo as autoridades, o ataque foi planejado pela Irmandade Muçulmana após a polícia desmontar acampamentos de manifestantes nas praças Rabaa al-Adauiya e Al-Nahda, no Cairo, que protestavam contra a deposição do presidente eleito Mohammed Mursi em julho daquele ano. Dezenas de pessoas foram mortas na ocasião.

Nos últimos meses, centenas de pessoas foram condenadas à pena de morte no Egito. No entanto, as decisões costumam ser revertidas em apelações para anos de prisão, e as execuções não são frequentes no país.

Desde o golpe militar que derrubou Mursi da Presidência egípcia, em julho de 2013, as autoridades vêm perseguindo os integrantes e simpatizantes da Irmandade Muçulmana, sob justificativa de que o grupo é uma fação terrorista.