Assoreamento entope represa de Rio das Pedras

Com uma capacidade de armazenamento grande, a água do reservatório poderia ser utilizado, exclusivamente para o abastecimento

iG Minas Gerais | Humberto Santos |

Ponto de medição do volume no Velhas: ponte com resíduo da última cheia
DANIEL DE CERQUEIRA
Ponto de medição do volume no Velhas: ponte com resíduo da última cheia

A represa de Rio de Pedras, em Itabirito, abrange a usina hidrelétrica de rio das Pedras, administrada pela Cemig. O reservatório possui um volume total de 604 mil m³, mas a maior parte do volume está ocupado por lama e sedimentos. São 286 mil m³ de água e 321 mil m³ de sedimentos.  

É justamente a grande quantidade de sedimentos que impede a usina inaugurada em 1907 a produzir mais energia. Hoje a capacidade é de 9,28 megawatts.

Mesmo com todo esse sedimento, a represa sofre com a queda na vazão no Velhas. Segundo a Agência Nacional das Águas (ANA), em 2010, a vazão da represa Rio de Pedras chegou a 5,5m3/s (cerca de 5 mil litros por segundo). Já anteontem, a vazão no lago era de 3,6m3/s.

Com uma capacidade de armazenamento grande, a água do reservatório poderia ser utilizado, exclusivamente para o abastecimento. Segundo a Copasa, a água do reservatório já é utilizada pela companhia, à medida que ela chega na estação de tratamento, em Nova Lima 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave