Experiências pelo mundo chegam ao leitor em cartas

Em “Queria Ter Ficado Mais”, escritoras e jornalistas compartilham episódios vividos em viagens

iG Minas Gerais | Carlos Andrei Siquara |

Relato. Clara Averbuck é uma das 12 autoras que narram episódios vividos em alguma parte do mundo
paula ragucci/divulgação
Relato. Clara Averbuck é uma das 12 autoras que narram episódios vividos em alguma parte do mundo

[NORMAL_A]Uma viagem, seja ela ótima ou algo que beira o desastre, inevitavelmente rende algum tipo de história. Mesmo as mais curtas podem provocar uma série de relatos, em vista dos diversos acontecimentos viáveis de aparecer no caminho quando alguém decide deixar a familiaridade e o conforto do lar.

É em torno disso que gravitam as narrativas do livro “Queria Ter Ficado Mais”. O título, prestes a ser lançado, chama a atenção para o seu formato inusitado e coerente com o tipo de texto que porta. Cada um dos capítulos vem guardado num envelope de carta, cujo verso possui uma ilustração assinada por Eva Uviedo.

Essas criações são inspiradas nas passagens das autoras Clara Averbuck, Clara Vanali, Florencia Escudero, Isis Gabriel, Cecilia Arbolave, Barbara Heckler, Lívia Aguiar, Olívia Fraga, entre outras, a cidades como Londres, Roma, Paris, Barcelona e Istambul.

Arbolave, que também é editora desse projeto, ressalta nesse processo a intenção de evitar a feitura de uma espécie de roteiro de viagens para, no lugar disso, se conceber uma antologia de experiências, sendo algumas delas mais recentes ou não.

“Nós não queríamos que o resultado disso fosse uma reunião de textos turísticos. Embora o tema principal do livro seja as viagens, nós entendemos que o objetivo do título sempre foi mostrar escritos em que as autoras usassem recursos narrativos para contar suas histórias. Assim, os lugares são revelados à medida que elas avançam em seus depoimentos”, explica Cecilia Arbolave, que narra uma visita a Buenos Aires, sua cidade natal.

O fato de apenas terem sido escolhidas mulheres, ela afirma que, a princípio, não foi algo proposital. No entanto, aos poucos, isso se consolidou como um critério. “Como boa partes das histórias que nós conhecíamos antes de fazer o livro tinha sido contada por mulheres, nós pensamos: ‘por que então não fazemos algo apenas escrito a partir desse olhar?’”, revela.

O resultado, ao seu ver, é um conjunto de narrativas muito diferentes, mas que, em comum, compartilham vivências pessoais. “Enquanto Clara Averbuck narra episódios de uma viagem muito louca por Londres, a Clara Vanali, por exemplo, recupera um momento em que ela foi para Roma com a família, o que para ela era uma novidade, pois nunca tinha viajado com todos eles para um lugar tão longe”, diz ela.

Outra característica ressaltada por ela é a presença de um cuidado com as memórias. “As autoras disseram que, às vezes, recorriam a e-mails, anotações ou fotos para contar sua história, e eu acho que isso convida as pessoas a ter vontade de descobrir essas cidades”, diz Arbolave.

Na internet

“Queria Ter Ficado Mais” (Lote 42, R$ 49,90) está em pré-venda no site: www.lojalote42.com.br

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave