Governo grego retoma negociações com a zona do euro

Depois de dois planos de resgate internacionais de um total de 240 bilhões de euros, o executivo grego quer negociar uma redução de sua dívida e uma saída das medidas de austeridades impostas por esta ajuda

iG Minas Gerais | AFP |

Ministro das Finanças da Grécia se encontra com ministro da Economia da Zona do Euro, em Bruxelas
AFP
Ministro das Finanças da Grécia se encontra com ministro da Economia da Zona do Euro, em Bruxelas

A zona do euro e a Grécia tentaram acertar nesta sexta-feira as suas diferenças, com Bruxelas advertindo que não se pode ignorar os compromissos e Atenas afirmando que não trabalhar com os supervisores de uma política de austeridade rejeitada nas urnas.

"Ignorar os acordos prévios não é um caminho a seguir", disse o líder dos ministros da Economia da zona do euro, Jeroen Dijsselbloem, em coletiva de imprensa com o ministro grego Yanis Varoufakis.

Depois de dois planos de resgate internacionais de um total de 240 bilhões de euros, o executivo grego quer negociar uma redução de sua dívida (175% do PIB) e uma saída das medidas de austeridades impostas por esta ajuda.

A Grécia deve ainda receber 7 bilhões de euros até o próximo mês, mas Varoufakis já declarou que o governo não quer esse dinheiro, que só aumentaria o problema em discussão.

Dijsselbloem disse nesta sexta-feira que "não houve conclusões" sobre o prolongamento ou não do programa, e que o governo grego deve determinar sua posição para que haja avanços. 

Varoufakis disse ao New York Times que seu governo não quer os 7 bilhões de euros pendentes e que o objetivo é "reestruturar a dívida e a economia para receber o dinheiro que precisamos".

Na coletiva de imprensa com Dijsselbloem, Varoufakis explicou que seu governo buscará "a máxima cooperação" com os credores do país (UE, BCE e FMI), mas não trabalhará com os delegados que desde 2010 vigiam de perto o cumprimento das reformas e cortes exigidos.

O executivo grego pede uma conferência internacional para eliminar boa parte da dívida grega e também de outros países europeus, como a realizada em 1953 em Londres para reduzir a dívida alemã.

Questionado sobre o assunto, Dijsselbloem respondeu que "essa conferência existe e se chama Eurogrupo", o foro dos 19 ministros de Economia da zona do euro.

O holandês foi o segundo dirigente europeu a visitar Atenas, depois do presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, que na quinta-feira se reuniu com o primeiro-ministro Alexis Tsipras.

Dijsselbloem se reuniu também com Tsipras, com o vice-primeiro-ministro Yanis Dragasakis, que coordena as pastas econômicas, com Yorgos Stathakis, titular de Economia, e com Euclides Tsakalotos, secretário de Estado de relações econômicas exteriores na chancelaria.

A bolsa de Atenas reagiu negativamente, e teve queda nesta sexta-feira de 1,85%. O índice dos bancos recuou 1,66%. O rendimento do título do Tesouro grego a dez anos se aproximou dos 11%.

Zona do euro, muito exposta O governo grego deixou claras suas intenções desde quarta-feira, anunciando uma chuva de medidas contrárias às reformas e cortes exigidos desde 2010 pela troika de credores (UE, Banco Central Europeu e FMI).

Em virtude dos resgates, os sócios da zona do euro (integrada por 19 países) já cederam cerca de 200 bilhões de euros à dívida grega, através de garantias a um fundo comum e de empréstimos bilaterais.

Por isso, tanto a Comissão Europeia como França e Alemanha, os dois países mais expostos (42 bilhões e 56 bilhões de euros respectivamente), não param de advertir Atenas sobre seus compromissos.

Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão, o órgão executivo da UE, disse ao jornal francês Le Figaro que "não pretende eliminar a dívida grega, embora seja possível fazer alguns acertos".

Na mesma linha, o ministro francês da Economia, Michel Sapin, descartou também uma anulação da dívida, e disse que é possível, sim, reduzir a sua carga.

"Falamos de dívida, de acordo para aliviar a carga. Mas anular a dívida, não, porque isso equivaleria a transferir o peso do contribuinte grego para o contribuinte francês", disse Sapin.

O vice-chanceler da Alemanha, Sigmar Gabriel, disse  que espera que a Grécia cumpra com seus compromissos de reformas e disciplina fiscal, adotados em troca da assistência internacional.

Alexis Tsipras estará na próxima terça-feira na Itália e na quarta-feira na França, para reunir-se com seu homólogo Matteo Renzi e com o presidente francês, François Hollande.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave