União Africana pede criação de força regional para derrotar Boko Haram

“O Boko Haram está abusando da crueldade inqualificável, do total desrespeito pelas vidas humanas e da destruição gratuita de bens”, afirmou o comissário da União Africana

iG Minas Gerais | AFP |

Demonstrators holds placards and banners reading
AFP
Demonstrators holds placards and banners reading "I am Nigerian" (L) and "Stop Boko Haram" during a gathering at the trocadero place in Paris on January 18, 2015 to protest against Boko Haram islamists after a large-scale attack in Baga, which straddles the borders of Chad, Nigeria, Niger and Cameroon, were as many as 2,000 people were massacred in a raid on January 7, 2015. Cameroon, Chad and Niger have launched a regional bid to combat the Boko Haram Islamists, as their attacks spread beyond Nigeria and concern mounts over the Nigerians' failure to regain control. AFP PHOTO / LIONEL BONAVENTURE

A União Africana pediu nesta sexta-feira (30) a criação de uma força regional de cinco países, com 7,5 mil integrantes, para combater o aumento de insurgentes do grupo extremista nigeriano Boko Haram.

“O Boko Haram está abusando da crueldade inqualificável, do total desrespeito pelas vidas humanas e da destruição gratuita de bens”, afirmou o comissário da União Africana, Nkosazana Dlamini-Zuma. Ele falou após o encontro do Conselho de Paz e de Segurança. “Por isso, é recomendado que os países da região sejam autorizados a aumentar a Força Conjunta Multinacional para 7,5 mil homens”, acrescentou.

Para ele, o Boko Haram é uma ameaça que ultrapassa as fronteiras da Nigéria e a atual crise exige “resposta coletiva, eficaz e decisiva” por parte das nações africanas.

“O terrorismo, em particular a brutalidade dos extremistas do Boko Haram contra o nosso povo, é uma ameaça à nossa segurança e desenvolvimento coletivos”, destacou Nkosazana Dlamini-Zuma, no discurso de abertura da Cúpula da União Africana, em Adis Abeba, na Etiópia.

O grupo Boko Haram quer instaurar um califado no Norte da Nigéria, majoritariamente muçulmano, ao contrário do Sul, de maioria cristã.

A República do Chade, que já apelou à formação de uma coligação de países da região contra o grupo extremista, enviou um contingente militar para os Camarões, país que faz fronteira com a Nigéria, para ajudar a combater os ataques do Boko Haram.

A violência do Boko Haram e sua repressão pelas Forças Armadas nigerianas já causaram mais de 13 mil mortes desde 2009 e cerca de 1,5 milhão de refugiados e deslocados.