Petrobras cortará investimentos

Outra medida prevista é a revisão da política de preços para os derivados que não sejam gasolina e diesel

iG Minas Gerais |

São Paulo e Rio. A presidente da Petrobras, Graça Foster, anunciou nesta quinta que irá cortar investimentos da companhia a ponto de reduzir a carteira de exploração de petróleo ao mínimo necessário e que irá também desacelerar o ritmo das obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). A empresa também manterá parada a obra da unidade de fertilizantes, no Mato Grosso do Sul, cujo contrato com o consórcio construtor foi rompido no fim do ano passado. A unidade, segundo Graça, está 85% concluída, e uma nova licitação será conduzida com a velocidade necessária.

Essas são algumas das medidas, ainda não detalhadas, que indicam o caminho que a empresa vai tomar para cortar os investimentos em 30% neste ano, dos US$ 44 bilhões previstos, para algo entre US$ 31 bilhões e US$ 33 bilhões. A ideia é reduzir o ritmo dos projetos que trazem pouca ou nenhuma contribuição para o caixa da empresa neste ano e em 2016.

Outra medida prevista é a revisão da política de preços para os derivados que não sejam gasolina e diesel. A presidente da estatal não deu maiores detalhes, disse apenas que a revisão atingirá combustíveis como óleo combustível, GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) para o setor industrial, e o asfalto, também derivado de petróleo cru. Ela não explicou como isso será feito, mas sinalizou uma mudança do subsídio que é dado a esses produtos.

Auditoria. A contratação de serviços de consultores e também os gastos com a equipe interna para dimensionar o tamanho das perdas causadas pela corrupção custaram à Petrobras, segundo a presidente, R$ 150 milhões. Graça disse, ainda, que a equipe técnica da empresa está “trabalhando desesperadamente” na análise de relatórios para identificar o impacto da corrupção na empresa.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave