Presidente do Banco da Inglaterra critica a austeridade da Eurozona

Em plena crise da Grécia, o canadense Mark Carney lamentou que a criação de uma moeda única não tenha provocado a criação de instituições e mecanismos à altura

iG Minas Gerais | AFP |

O presidente do Banco da Inglaterra (BoE) criticou na quarta-feira à noite a política de austeridade da Eurozona, com um alerta para o risco de um "nova década perdida" se os países ricos não ajudarem os pobres.

Em plena crise da Grécia, o canadense Mark Carney pronunciou um discurso em Dublin no qual lamentou que a criação de uma moeda única não tenha provocado a criação de instituições e mecanismos à altura.

"A Eurozona tem sido relativamente tímida na hora de construir as políticas e instituições necessárias para levar uma prosperidade duradoura aos cidadãos", disse.

Carney defendeu a construção de "instituições que permitam compartilhar riscos, como as que existem nas uniões monetárias de sucesso".

"Atualmente, o progresso em termos de reformas estruturais na Eurozona é desigual. Os dirigentes da Europa não preveem uma união fiscal como parte da união monetária. Esta timidez tem um custo", alertou.

"Não é momento de medidas parciais", completou Carney, cujos comentários poderiam incomodar a Alemanha, que se mostra firme em não reduzir as exigência de reformas da Grécia.

Dentro de uma união fiscal, as decisões sobre a arrecadação e gastos com impostos são tomadas por instituições conjuntas.

"É difícil não chegar à conclusão de que se Eurozona fosse um país, a política fiscal seria claramente mais favorável", completou Carney.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave