Nível de represa deve chegar a apenas 5% até o fim do ano

Governador sobrevoou a área nesta quinta-feira e disse que a situação é crítica; já o novo presidente da Cemig descarta a possibilidade de um colapso na energia

iG Minas Gerais | BERNARDO MIRANDA |

Devagar e sempre. 
Represa de Três Marias, quase seca, enche lentamente porque é muito grande, mas perspectiva para o mês é boa
Paulo Bellardini / Jornal Buriti
Devagar e sempre. Represa de Três Marias, quase seca, enche lentamente porque é muito grande, mas perspectiva para o mês é boa

O governador Fernando Pimentel está em Três Marias nesta quinta-feira (29) e falou sobre o problema do baixo nível do reservatório. A situação da represa é uma das piores do Brasil, e é possível que até o fim do ano o nível chegue a apenas 5% do seu volume total. Atualmente, a represa está com 10% deste volume.

Ao todo, são seis as usinas que produzem energia em Três Marias, mas ao longo do dia apenas uma fica ligada, exceto por três horas diárias quando as seis são ligadas simultaneamente.

Apesar do baixo nível da usina, o novo presidente da Cemig, Mauro Borges, descartou a possibilidade de um colapso no sistema energético. “Ao contrário do sistema de captação de água, o sistema de geração de energia conta com u ma gestão interligada em todo o Brasil que consegue operacionalizar as demandas de cada região, de forma que o sistema não entre em colapso”, disse.

Ainda segundo ele, o risco de um colapso neste momento é inexistente, mesmo se chegar aos 5% do volume, a situação está “dentro do planejado”. “Já cientes disso, iremos fazer a gestão dessa represa de forma que o sistema não entre em colapso”, garantiu.

Pimentel visualizou a área sobrevoando de helicóptero e disse que a situação é muito crítica, não só na represa, mas também nas propriedades rurais por causa da falta de abastecimento.

O prefeito de Três Marias, Vicente Rezende, disse que o turismo da cidade depende muito da represa e que houve redução de 70% nesta atividade por causa da estiagem. Mesmo assim, ele disse que não falta água na cidade porque há um reservatório que faz esse abastecimento, mas afirmou que na zona rural a situação é preocupante.

“Há vários povoados sem água e o município conta apenas com dois carros-pipa para fazer esse abastecimento. Por enquanto, essas comunidades estão recebendo praticamente só a água para beber”, disse.

O governador ainda disse que não sabe qual o volume atual de água reservada no Estado, o que é “uma falha da gestão anterior”. Ele disse que é preciso fazer esse levantamento e que Minas não tinha um plano de contingência para enfrentar uma crise hídrica, projeto que terá que ser feito agora.