Campanha distribuirá 70 milhões de camisinhas para o Carnaval

Utilização da proteção, testagem e tratamento são os focos da campanha de prevenção às doenças sexualmente transmissíveis, lançada nesta quarta-feira (28) pelo Ministério da Saúde

iG Minas Gerais | Folhapress |

Campanha distribuirá 70 milhões de camisinhas para o Carnaval
arquivo stockxpert
Campanha distribuirá 70 milhões de camisinhas para o Carnaval

Camisinha, testagem e tratamento são os focos da campanha de prevenção às doenças sexualmente transmissíveis, lançada nesta quarta-feira (28) pelo Ministério da Saúde, para o período de Carnaval. O slogan "#partiuteste", usado desde dezembro, tem como principal público-alvo os jovens entre 15 e 25 anos. A campanha distribuirá 70 milhões de camisinhas em todo o país. Com as 50 milhões que os Estados já têm em estoque, serão disponibilizados 120 milhões de preservativos. As informações são da Agência Brasil.

O preservativo estará em displays instalados nos banheiros dos aeroportos do Rio de Janeiro, de Salvador e do Recife. Os gays, transexuais e profissionais do sexo também são público-alvo da campanha. O slogan foi lançado no Dia Mundial de Combate à Aids, estimulando todas as pessoas com vida sexual ativa a fazer o teste rápido da doença.

Pesquisa

Os brasileiros sabem a importância do uso da camisinha na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, um número próximo a 94% da população. No entanto, 45% dos sexualmente ativos não usaram preservativo em relações ocasionais em 2013, percentual estável desde 2004.

Os dados são de uma pesquisa do Ministério da Saúde, que entrevistou 12 mil pessoas na faixa etária de 15 a 64 anos. O levantamento aponta que entre 2004 e 2013 aumentou de 4,1% para 12,1% a proporção de brasileiros que teve mais de cinco parceiros no último ano.

A pesquisa mostra também que, enquanto em 2004 pouco mais de 19% da população, entre 15 e 64 anos, afirmava ter se relacionado com dez parceiros sexuais na vida, em 2013 o número passou para 43,9%.

No lançamento da campanha de Carnaval do Ministério da Saúde, o ministro Arthur Chioro disse que a mudança de comportamento determinou mudança de foco da campanha, que agora destaca o teste e o tratamento.

"A gente nota uma certa mudança no comportamento sexual da população no decorrer dos anos. Uma das causas do crescimento da aids pode estar relacionada ao fato de a nova geração ser mais liberal que a anterior", disse Chioro. O ministro ressalta que, por isso, o incentivo ao teste e ao tratamento devem fazer parte da campanha.

A estratégia agora é, além de estimular o uso da camisinha, como sempre foi feito, convidar o jovem a fazer o teste de HIV, disponível gratuitamente nos postos de saúde, e começar logo o tratamento, caso o teste dê positivo.

"Você poderia considerar que é uma geração mais liberal e que se expõe mais. Mas como tem mais parceiros, tem um risco acrescido. A questão é que, se a gente insistir em fazer mais do mesmo, e ficar paralisado na camisinha, a chance de enfrentar [o problema] é menor", defendeu o diretor do departamento especializado em doenças sexualmente transmissíveis e Aids, do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita.

Segundo o ministério, 734 mil pessoas vivem com HIV no Brasil. A incidência do vírus é 20,4 casos por grupo de 100 mil habitantes, mas a prevalência sobe para 41,3 no Rio Grande do Sul e para 33,4 no Amazonas.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave