Câmara 'acaba' com verba indenizatória e cria licitação para repasse

Presidente da Casa criticou gestão anterior afirmando pouca eficiência; decisão foi tomada por unanimidade por 17 vereaodres do total de 19 que compõem o colégio de líderes

iG Minas Gerais | Tâmara Teixiera |

Por unanimidade, o colégio de líderes da Câmara Municipal de Belo Horizonte decidiu, na manhã desta quarta-feira (28), que a verba indenizatória será repassada aos vereadores por meio de licitação. A cada mês, cada parlamentar tem direito a até R$ 15 mil para custear despesas com o mandato, como gastos com a manutenção de gabinete.

Do total de 19 vereadores que compõe o colégio, 17 estiveram presentes na reunião. "A expectativa é de economia e de transparência, mesmo que o valor não seja reduzido", afirmou o presidente da Casa, Wellington Magalhães (PTN).

Magalhães aproveitou a oportunidade e alfinetou o ex-presidente da Câmara, Léo Burguês (PSDB), por não ter conseguido fazer nenhuma alteração em relação ao tema durante o mandato. Em quatro anos, ele (Léo Burguês) não conseguiu mudar a regra e eu, em meses, consegui alterar, realizando conversas", gabou-se.

Além disso, o presidente informou que alguns itens da verba podem ser alterados, retirados e inclusos, e para isso será formada uma comissão técnica. Ainda, será elaborado, a partir de fevereiro, um projeto de resolução, que será assinado por todos os vereadores.

Na avaliação do vereador Ronaldo Gontijo (PT), o mais correto não é chamar mais o recurso de verba indenizatória, já que os parlamentares nãos serão mais indenizados. A Câmara é que irá repassar o dinheiro, a partir da solicitação, por meio de licitação.