Brasileiros se destacam nas negociações recordes de jogadores

Inglaterra é o país que mais investe no mercado que movimentou a quantia de 4,1 bilhões de dólares

iG Minas Gerais | AFP |

Brasil teve 1335 transferências entre chegadas e saídas
Brasil teve 1335 transferências entre chegadas e saídas

O valor total das transferências de jogadores de futebol registrou um novo recorde em 2014, com a quantia de 4,1 bilhões de dólares, com a Inglaterra como país que mais investe e os brasileiros como os atletas mais negociados, anunciou a Fifa.

Em 2014, um total de 13.090 jogadores foram negociados em todo o planeta pelo valor de 4,1 bilhões de dólares, uma quantia que inclui os montantes das operações entre clubes, mas não as comissões recebidas pelos empresários e agentes.

O resultado representa uma alta de 2,1% na comparação com 2013 (3,98 bilhões de dólares), com crescimento ao ritmo de 3,4% desde 2011, segundo os números divulgados pela FIFA TMS, empresa fundada pela Fifa e que registra os valores investidos nas transferências entre clubes.

A Europa continua sendo, de longe, o principal mercado, com 87% do total investido. As operações entre clubes do Velho Continente representam 78% do total.

Entre os jogadores, os brasileiros foram os mais negociados, com 1.493 operações que representaram 448 milhões de dólares. A lista segue com Argentina (801 jogadores), Reino Unido (596) e França (507).

Entre os países, os clubes ingleses mantêm a liderança como os maiores investidores, com 1,17 bilhão de dólares gastos em 2014, o que representa mais de 25% do total mundial, destaca Mark Goddard, diretor geral da FIFA TMS.

"A Inglaterra gastou mais que o dobro que a Espanha, o segundo maior mercado", completa Goddard.

Os clubes da Espanha foram os que mais negociaram jogadores em 2014, com uma arrecadação de 667 milhões de dólares (584 em 2013), à frente dos clubes da Inglaterra (523 milhões) e de Portugal (435 milhões).

Outra novidade de 2014 é a presença, pela primeira vez, da China entre os 10 maiores investidores, com 100 milhões de dólares gastos por seus clubes.

Leia tudo sobre: brasileirosmercadorecorde