Assessor de Messi confirma desvio de dinheiro de jogos beneficentes

O jornal espanhol El País publicou nesta terça-feira, uma reportagem que contém detalhes do depoimento de Guillermo Marín à Polícia local

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Messi foi o autor do gol que deixou Barcelona com vantagem na Copa do Rei
BARCELONA/DIVULGAÇÃO
Messi foi o autor do gol que deixou Barcelona com vantagem na Copa do Rei

O nome de Messi novamente está envolvido em um escândalo financeiro. Desta vez, a situação que pode gerar problemas para o craque do Barça é o desvio de dinheiro de jogos beneficentes, realizados em 2012 e 2013. A informação foi admitida pelo assessor do argentino, Guillermo Marín, em depoimento à Guarda Civil espanhola. O depoimento de Marín foi obtido pelo jornal local El País, que publicou nesta terça-feira uma reportagem com detalhes do caso.

Segundo o diário espanhol, a polícia local investiga desde o ano passado as infrações fiscais e lavagem de dinheiro provenientes dos jogos. Durante o depoimento, o assessor de Messi entrou em contradição em diversas vezes, chegando a afirmar que o craque do Barça não cobrou nada pelos eventos. Na sequência, Marín admitiu que a fundação do atleta recebeu 50 mil dólares (R$ 133 mil) por cada uma das seis partidas que Messi atuou na América, em 2012 e 2013.

Após ser questionado pelos policiais, Marín revelou que ordenou a transferência do dinheiro – não informando a quantia- para uma conta no Banco Internacional do Caribe de Curaçao, nos Países Baixos, em benefício de uma sociedade com o nome de Mandatos Valneg.

O assessor de Messi não revelou o nome dos envolvidos, apenas admitindo que advogados espanhóis estariam ligados às transferências. Segundo o El País, as investigações também revelam que a quantidade enviada para Curaçao foi muito maior do que os 300 mil dólares (R$ 770 mil) sugeridos pelo empresário. Apenas os dois jogos que Messi realizou na Colômbia, nas cidades de Bogotá e Medellín, geraram cinco transferências para o banco internacional, que ultrapassaram um milhão de euros (R$2,9 mi). Os agentes suspeitam ainda, que as transferências podem ter sido feitas para outros bancos da Europa.

A Polícia espanhola espera agora descobrir os nomes dos envolvidos, já que é crime a não declaração de transferências de dentro e fora do país.

Outro caso- Messi também enfrentou recentemente um processo de sonegação fiscal, referentes aos direitos de imagem do atleta, dos anos de 2007, 2008 e 2009. Após investigações, o Ministério Público da Espanha decidiu retirar o jogador do processo, por concluir que ele não sabia da situação.