Advogados da OAS pedem anulação de delação premiada de Youssef

Os advogados argumentam que o juiz demorou demais para apresentar à defesa os termos do acordo

iG Minas Gerais | Folhapress |

Advogado diz que há risco de morte devido doença de doleiro
OEDSON ALVES/ESTADÃOCONTEÚDO
Advogado diz que há risco de morte devido doença de doleiro

A defesa dos executivos da OAS pediu ao juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, que anule o acordo de delação premiada firmado com o doleiro Alberto Youssef e homologado pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Os advogados argumentam que o juiz demorou demais para apresentar à defesa os termos do acordo: mais de um mês após recebê-los do STF.

"Esse juízo manteve sob sua guarda pessoal por mais de um mês o documento que poderia servir à defesa dos acusados, enquanto o prazo para apresentação de respostas se esvaía, com os requerentes subjugados e sem possibilidade de defesa", escreveram na petição.

A defesa também aponta que é ilegal o doleiro Youssef receber vantagens pela quantidade de dinheiro que conseguir ajudar na recuperação. Segundo a Procuradoria da República no Paraná, Youssef conseguirá abatimento de sua multa proporcional à quantidade de recursos que ajudar na recuperação.

"Só por isso o acordo é inconstitucional e deve ter sua nulidade absoluta declarada", escreveram os advogados. De acordo com Edward de Carvalho, um dos advogados da construtora, a delação do doleiro é ilegal, imoral e inconstitucional.

"Imoral porque Youssef já descumpriu um acordo de delação no passado. Ilegal, uma vez que o próprio Ministério Público já o havia considerado um criminoso profissional -e mesmo assim, fez um novo acordo com ele", lista Carvalho.

Além disso, segundo a defesa da OAS, conceder um perdão à multa devida por Youssef fere a Constituição.

"A pena de multa é para recuperar dinheiro que ele acumulou praticando crimes. Agora, fazendo a delação, ficou acertado que quanto mais Youssef falar, menos bens adquiridos com o crime ele terá de devolver", criticou Edward Carvalho.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave