Minas conta com um 'pé de coelho' para evoluir no NBB

Jovem armador Coelho vem sendo uma das principais armas do time, que encara o Basquete Cearense nesta terça-feira

iG Minas Gerais | THIAGO PRATA |

Armador Coelho (à esquerda) se destaca de corpo e alma para ser fundamental ao Minas no NBB
Minas Tênis Clube/Divulgação
Armador Coelho (à esquerda) se destaca de corpo e alma para ser fundamental ao Minas no NBB

A responsabilidade de ser o maestro do Minas Tênis Clube no Novo Basquete Brasil (NBB) pode parecer grande para um jovem de 21 anos. Mas o talento nato o credenciou a carregar esta missão. E, até gora, vem tendo êxito na função. Se o time mineiro faz uma boa campanha no torneio nacional, muito se deve às atuações inspiradas de seu camisa 10, um coelho que o técnico Demétrius Ferracciú tirou da cartola.

Autor de jogadas mirabolantes, dono de um estilo que alia técnica e velocidade, e especialista em abrir caminhos por onde menos se espera, o armador Coelho vem se destacando com o uniforme azul e branco. Hoje, ele será novamente uma das principais armas dos minastenistas na busca por uma vitória na partida diante do Basquete Cearense-CE, às 16h, na Arena Minas.

Para se garantir como um dos titulares da equipe e ganhar o status de peça fundamental na trajetória do Minas no NBB, o armador precisou dobrar o empenho e a dedicação no dia a dia.

“Sempre procuro treinar mais que todo mundo, fazer extra. Peço ajuda à comissão técnica, pego vídeos meus, olho as ações ofensivas dos adversários para tentar diminuir as possibilidades de cestas deles. O trabalho da comissão e dos atletas está me ajudando, e favorecendo meu jogo. Só tenho a agradecer o elenco, que está de parabéns. Estamos jogando bem coletivamente, que é o mais importante”, ressaltou Coelho.

O papel de 'paizão' de Demétrius Ferracciú também se tornou crucial para o crescimento do camisa 10 dentro de quadra. “Ele (Demétrius) conversa muito comigo e me dá bastante conselho. Um cara que nunca omite meu jogo. Eu também peço para conversar com ele, olhamos vídeos das partidas, ele me manda melhorar em algumas coisas. Só tenho a agradecer a ele”, disse o atleta.

Curiosamente, assumir a função de armador não esteve sempre nos planos de Coelho. “Eu queria ser lateral (risos). Mas meu destino era ser armador mesmo. Tenho muito gosto por esta posição, que assumo e admiro”, relatou.

“Em toda equipe, o armador tem um papel fundamental. Como eu não cresci muito, pensei: 'vou ter que fazer algo a mais, algo diferente'”, completou.

O Minas conta com Coelho para seguir na parte de cima da tabela de classificação. Atualmente, o time minastenista é o quinto colocado em termos de aproveitamento, com 64,7% – ou quarto, por pontos, com 28, em 17 jogos.

Leia tudo sobre: Minas Tênis ClubeCoelho