Google é acusado de dar acesso ao e-mail de dirigentes do WikiLeaks

Advogados do WikiLeaks protestaram contra a empresa e o departamento de Justiça pelo que consideram uma séria violação da privacidade e dos direitos jornalísticos

iG Minas Gerais | AFP |

Google lança serviço de música por assinatura no Brasil por R$ 14,90
Reprodução / Google
Google lança serviço de música por assinatura no Brasil por R$ 14,90

O WikiLeaks acusou o Google de ter facilitado o acesso das autoridades americanas ao correio eletrônico de três de seus dirigentes e de não tê-los avisado sobre isso durante três anos.

Os advogados do WikiLeaks protestaram contra o Google e o departamento de Justiça americana pelo que consideram uma séria violação da privacidade e dos direitos jornalísticos do pessoal do site de vazamento de informações sigilosas.

Apoiando-se em documentos dos quais a AFP recebeu uma cópia, a organização revela que um juiz federal pediu estas informações ao Google.

O WikiLeaks acusa o Google de ter cooperado mais do que deveria, tratando-se de uma empresa que afirma velar pela confidencialidade de seus clientes.

Os três dirigentes afetados são Sarah Harrison, Joseph Farrell e Kristinn Hrafnsson, e o repasse das informações de suas contas teria acontecido em 5 de abril de 2012.

O WikiLeaks difundiu desde 2010 cerca de 250.000 telegramas da diplomacia americana e 500.000 relatórios militares classificados como "segredo de defesa".

A justiça americana admitiu que está investigando a organização, mas o Wikileaks alega que seu alcance é muito maior do que admite.