A leveza e o peso

iG Minas Gerais |

Um dos momentos mais excitantes na vida de uma pessoa é quando ela está descobrindo alguém interessante. Primeiro o outro chama a sua atenção por um fator qualquer. Um sorriso, o cabelo, os pés, a forma como se veste, o jeito que te cumprimenta, algo assim. Você passa a reparar e percebe outras características atraentes. Seu olhar muda, e você busca estar em contato o máximo que pode, de algum jeito. Seja “encontrando sem querer”, frequentando os mesmos lugares nos mesmos horários, estreitando laços com amigos em comum, por redes sociais, WhatsApp. De maneira natural, você passa a estar focado somente na presença. Tudo é bom. Só vemos as qualidades e os traços favoráveis que a pessoa tem. Não apenas as músicas que você escuta remetem à outra pessoa. Mas tudo o que você lê, vê, assiste, de alguma forma, conduz você até ela, formando uma conexão mental que é interpretada por você como um sinal. Algo além da compreensão humana. Você descobre afinidades e gostos similares que ampliam essa sensação de conectividade. E a “coincidência” de algumas vivências passadas e momentos atuais demonstram uma sincronicidade que consolida, na sua cabeça, que existe algo maior entre vocês. Elogios e gentilezas tornam-se cada vez mais frequentes. Assim como a admiração por qualquer coisinha relativa ao outro. Se a história vinga, a soma de tudo isso proporciona doçura e leveza ao outro e preenche o seu peito, sua cabeça e seu tempo. O problema é quando a gente se perde. E bota tudo a perder. Muitas vezes, após algum tempo, não conseguimos mais valorizar a presença como antes e passamos a focar apenas a ausência. Só reparamos no que não é feito, no que não foi falado. Nos cuidados e nos detalhes que foram esquecidos ou deixados de lado. Dessa forma, perde-se a leveza. E tudo vira peso. Mensagens trazem peso. Cobranças trazem peso. Qualquer conversa traz peso. Até a presença traz peso. E o peso afunda tudo o que planava pelo ar. Matamos aquilo que trazia cor a nossa vida. Trazendo, de volta, a realidade dos dias cinza. Jack Bianchi é fundador da Humana.Mente (facebook.com/HumanaMente.Brasil), produtora especializada em conteúdo sobre comportamento

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave