Reedições celebram centenário do autor de “O Coronel e o Lobisomem”

José Cândido de Carvalho ganha coletânea de luxo

iG Minas Gerais |

Escritor fluminense lançou o seu primeiro romance em 1939
Ênio leite/divulgação
Escritor fluminense lançou o seu primeiro romance em 1939

SÃO PAULO. “A bem dizer sou Ponciano de Azeredo Furtado, coronel de patente, do que tenho honra e faço alarde”. Começa assim, com pompa, o romance “O Coronel e o Lobisomem”, um dos clássicos do humor da literatura brasileira. A saga lírica e surreal do coronel Ponciano completou 50 anos de publicação em 2014, quando o autor do livro, o fluminense José Cândido de Carvalho, faria 100 anos.

Dois livros publicados no fim do ano passado celebram a dupla efeméride. A Confraria dos Bibliófilos do Brasil, grupo de colecionadores de livros, lança uma coletânea de luxo com microcontos do autor, “100 Contados, Astuciados, Sucedidos e Acontecidos de José Cândido de Carvalho”. O volume artesanal, em capa dura e tiragem limitada de 500 exemplares (destinado apenas aos membros da Confraria), é ilustrado por Claudius Ceccon.

A Companhia das Letras vai reeditar os livros mais importantes do escritor. O principal deles, “O Coronel e o Lobisomem”, já chegou às livrarias. A editora planeja ainda para este ano uma compilação de contos e outra de perfis jornalísticos.

O primeiro romance do autor fluminense volta às lojas em 2016. Cândido de Carvalho morreu em 1989, aos 74 anos. Embora tenha dedicado pelo menos 50 deles à literatura, sua produção foi pequena. A estreia foi com “Olha para o Céu, Frederico!”, de 1939. Colheu elogios da crítica, mas quem apostou no promissor jovem escritor teve que esperar 25 anos para ter a confirmação de seu talento. O livro seguinte, “O Coronel e o Lobisomem”, só saiu em 1964. Depois disso, publicou apenas algumas reuniões de contos e crônicas.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave