Agora governo, antiga oposição não quer CPI

iG Minas Gerais |

Bastou mudar de lado para que antigos oposicionistas, hoje governistas, desistissem da CPI do Mineirão. Após batalhar e questionar o fato de o colegiado não ser instalado mesmo tendo 27 assinaturas, em uma decisão política da Mesa Diretora da Casa, os agora membros da base de Fernando Pimentel mudaram completamente de opinião, o que torna remota qualquer possibilidade de uma nova iniciativa nessa linha ser aprovado.

A avaliação é a de que o que antes era classificado como um duro golpe nas negociações feitas pelo PSDB, agora, é motivo de receio, já que poderia iniciar um indesejado “clima de guerra” na Casa. É o que diz, por exemplo, o deputado e líder do governo na Assembleia, Durval Ângelo, que assinou a CPI, mas agora mudou de ideia.

“O correto seria aguardar uma auditoria. É o mais sensato a se fazer, até porque Pimentel já está realizando auditorias em diversas áreas, então a CPI seria desnecessária. Não seria bom começar o ano legislativo com um clima de guerra na Assembleia”.

Dos 27 parlamentares que assinaram o pedido de abertura da CPI, em 2014, cinco se tornaram secretários de Estado e um, Adalclever Lopes (PMDB), deve ser empossado como presidente da Assembleia Legislativa. De acordo com um membro da administração Pimentel, a “CPI do Mineirão só não acontece se o governo não quiser”.

Fora do arco governista, o deputado Fred Costa (PEN), que também assinou o pedido de abertura da comissão, afirma que ainda há a necessidade de “tirar qualquer tipo de dúvida” sobre o contrato entre o Estado e o consórcio Minas Arena.

“Não vejo qualquer tipo de questão política que impeça a CPI do Mineirão de ser aberta. O momento é até propício, já que não há eleição. Respeito muito Durval Ângelo, mas tenho uma opinião diferente”, diz o deputado, presidente do PEN em Minas.

Os deputados Rogério Correia (PT) e Sávio Souza Cruz (PMDB), que idealizaram a CPI, não foram encontrados.

Cunha em BH O vereador Marcelo Aro (PHS), que toma posse na Câmara Federal em fevereiro, ofereceu nesta quinta em seu apartamento, no Belvedere, um jantar para o candidato à presidência da Casa Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Em campanha, essa é a segunda vez que Cunha desembarca na capital neste mês. No encontro, cerca de 30 convidados, “amigos, vereadores, deputados e pessoas sem mandato”, segundo Aro. A pauta, segundo o anfitrião, não foi política, apesar de alguns convidados garantirem que a campanha da Câmara seria o tema central. No cardápio, “nada demais, comida simples, minha mulher que organizou”, diz Aro. Hoje, Cunha recebe, na Câmara de BH, o título de cidadão honorário da capital. À tarde, terá um almoço na casa de um ex-deputado.

Apelo a Aécio O Solidariedade, comandado pelo deputado federal Paulinho da Força (SP), mantém o apoio ao líder do PMDB, Eduardo Cunha (RJ), na disputa pela presidência da Câmara. Tanto que soltou nota não apenas reiterando o apoio, como criticando a ideia do bloco do qual faz parte, incluindo PSB, PPS e PV, de apoiar o mineiro Júlio Delgado. O partido ainda pressiona para que o PSDB desista de Júlio e pense no apoio a Cunha. Na nota, o senador Aécio Neves é citado nominalmente. “O Solidariedade apela aos partidos de oposição, inclusive ao senador Aécio Neves, para que rediscuta essa questão, com o objetivo de não se cometer o erro histórico”, afirma. Cunha não perdeu tempo: compartilhou a nota em seu Facebook e marcou Aécio Neves para que ele leia.

FOTO: REPRODUÇÃO/SITE ARLINDO CHINAGLIA Arlindo Chinaglia

Cores da Câmara. No momento em que a eleição para o cargo de presidente se transformou em uma salada partidária, com rachas no governo e na oposição, os três candidatos preferiram adotar as cores da Casa Legislativa em seus materiais de campanha. Nesta quinta, Arlindo Chinaglia divulgou sua logomarca e o site. Nada do vermelho petista nas peças. Da mesma forma, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) já tinha usado as cores verde, azul e amarelo e o desenho do prédio como exemplo. Júlio Delgado (PSB) também adotou as cores.

R$ 210 mi GASTOU a Presidência com publicidade em 2014, mais que órgãos como o Ministério da Saúde, que faz campanhas de conscientização, diz o Contas Abertas

Pagamento. O governo de Minas informou nesta quinta que está previsto até o próximo dia 30 o pagamento dos serviços prestados pelos profissionais de saúde credenciados pelo Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg). O Estado culpa a gestão anterior por não deixar recursos para a quitação no prazo.

Parente no “BBB” É sobrinha do vereador Wagner Messias Silva, o Preto (DEM), líder do governo de Marcio Lacerda na Câmara, a belo-horizontina Aline Gotschalg, 24, que entrou, na quarta-feira, na casa do “Big Brother Brasil”. Mas, para ficar no programa e concorrer ao milionário prêmio final, terá que mostrar que, como o tio, é boa de voto. Ela disputa com a brasiliense Júlia uma vaga no programa. Se não for a escolhida, volta pra casa no domingo. “Não é por ser minha sobrinha, mas é uma pessoa maravilhosa. Vamos todos votar nela”, diz Preto, que faz uma “minicampanha” pela parente.

Buscando experiências Candidata pelo PSOL na última eleição presidencial, Luciana Genro diz que seu partido está de olho nos bons resultados de partidos à esquerda na Europa. Para isso, o PSOL mandará representantes à Grécia e à Espanha para acompanhar desdobramentos das eleições. Na Grécia, pesquisas desta semana mostram que o Syriza (Coligação da Esquerda Radical) aumentou a vantagem para as eleições legislativas do próximo domingo, dia 25. Na Espanha, com apenas um ano de vida, o esquerdista Podemos está perto de se tornar a maior força política do país.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave