Cartilha ensina a fugir de tiroteio

Rio de janeiro teve quatro mortes por bala perdida em apenas cinco dias

iG Minas Gerais | Da redação |

Moradores são instruídos a ficarem atentos a sinais de violência
CRUZ VERMELHA / REPRODUCAO
Moradores são instruídos a ficarem atentos a sinais de violência

O escritório do Comitê Internacional da Cruz Vermelha no Brasil está distribuindo para moradores do Rio de Janeiro uma cartilha sobre como se proteger durante um tiroteio. O material está sendo entregue nos morros e nas favelas da capital fluminense, que teve pelo quatro mortes por balas perdidas em cinco dias, entre elas a de um menino de 9 anos em um clube da cidade.

A cartilha tenta trazer uma linguagem simples, com expressões como "onde o bicho pega" e usa desenhos para mostrar como os moradores das comunidades podem se proteger em caso de tiroteios. A orientação é sempre para que as pessoas fiquem abaixadas, em vez de correr. O material também alerta para que as pessoas que estão dentro de casa se afastem de janelas quando ouvirem barulho de tiros e procurem ficar em um local que tenha “pelo menos duas paredes de tijolos separando você e o local de onde vem o som dos tiros”. Além distribuir as cartilhas, a Cruz Vermelha também mantém quatro núcleos de voluntários em algumas comunidades, formados pelos próprios moradores. Eles aprendem noções de primeiros socorros, segurança, higiene e direito. São 200 voluntários ao todo. Vítimas inocentes. No último sábado (17), uma menina de apenas 4 anos foi morta em Bangu, no Rio de Janeiro, vítima de uma bala perdida. Larissa de Carvalho foi atingida na cabeça quando saía de um restaurante com os seus pais. Segundo a mãe, os presentes nem chegaram a escutar o barulho do disparo, e acharam que a menina havia apenas tropeçado. Foi só quando viram o sangue na cabeça da criança é que perceberam a gravidade do ocorrido. Os órgãos da menina foram doados pela família. Apenas um dia depois, no domingo (18), o menino Asafe William Costa de Ibrahim, de 9 anos, foi atingido por outra bala perdida enquanto brincava em um clube em Honório Gurgel, no subúrbio carioca. Desta vez, o tiroteio foi percebido pela população, e houve correria e pânico no local. O garoto foi atingido na cabeça e levado para o hospital. Ele chegou a ficar três dias ainda vivo no hospital, mas nesta quarta não resistiu ao ferimento e teve morte cerebral.

Itens da cartilha Identifique locais que possam servir de abrigo em caso de emergência Saiba reconhecer sinais de perigo, como fogos de artifício, lojas fechadas, ruas vazias, etc Afaste-se de janelas e coloque-se a duas paredes de distância dos tiros Se não der tempo de se esconder, se jogue no chão e se arraste até um local seguro

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave