Empreiteiro teve angústia, ansiedade e choro na cadeia, diz atestado

No fim de novembro, Eduardo Leite chegou a ser internado em um hospital por causa de uma crise de hipertensão, mas teve alta no dia seguinte

iG Minas Gerais | Folhapress |

O vice-presidente da Camargo Corrêa, Eduardo Hermelino Leite, 48, sofreu "angústia, ansiedade, insônia, choro e irritabilidade" na cadeia, onde está preso desde novembro passado em decorrência da Operação Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção na Petrobras. A informação consta de atestado médico apresentado por sua defesa na ação penal contra o executivo.

Segundo petição do seu advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, os documentos foram apresentados com o objetivo de manter a Justiça atualizada sobre o estado de saúde do réu. Foi juntado um atestado de um psiquiatra e um atestado de um cardiologista.

No fim de novembro, Eduardo Leite chegou a ser internado em um hospital por causa de uma crise de hipertensão, mas teve alta no dia seguinte. O relatório do cardiologista Rubens Zenobio Darwich afirma que seus exames cardiológicos "se apresentaram dentro da normalidade", sendo orientado uso de medicação para hipertensão arterial.

Já o psiquiatra Sivan Mauer, que o acompanha desde dezembro, afirma que a prisão "agudizou" sintomas do paciente que ele já possuía antes da prisão e recomendou que o tratamento fosse feito "fora do sistema prisional, pois a instabilidade do quadro psiquiátrico interfere diretamente no quadro de hipertensão arterial sistêmica".

Não é o primeiro caso de um preso na Lava Jato com problemas de saúde. Na semana passada, o executivo Sérgio Cunha Mendes, da empreiteira Mendes Júnior, passou mal com dores abdominais e foi submetido a uma cirurgia para retirada de cálculo renal.

Também o doleiro Alberto Youssef foi internado diversas vezes por problemas no coração.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave