Taxar a 'nata' daria R$ 12 bi

Imposto sobre grandes patrimônios está previsto na Constituição, mas depende de regulamentação

iG Minas Gerais | Lucas Pavanelli |

Parado. Projeto de Luciana Genro que regulamenta Imposto sobre Grandes Fortunas tramita desde 2008
CARLA CARNIEL
Parado. Projeto de Luciana Genro que regulamenta Imposto sobre Grandes Fortunas tramita desde 2008

Enquanto o governo federal opta por elevar as alíquotas de impostos e restringir o acesso a benefícios trabalhistas, uma ferramenta quase escondida na Constituição de 1988 – e que carece de regulamentação há 26 anos – poderia aumentar a arrecadação da União e, ao mesmo tempo, servir para diminuir o abismo que existe entre os mais ricos e os mais pobres. O Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF) está contemplado no artigo 153 da Carta Magna, mas precisa de uma lei complementar para passar a valer.

A última proposta nesse sentido foi apresentada em 2008 por Luciana Genro (PSOL), quando a ex-candidata à Presidência da República era deputada federal. O projeto cria cinco faixas de patrimônios para taxação, começando com R$ 2 milhões. Um relatório do Banco Credit Suisse calcula que, no ano passado, eram 1.900 os brasileiros com patrimônio superior a US$ 50 milhões (cerca de R$ 130 milhões). Em uma estimativa conservadora, caso a proposta de Luciana Genro estivesse em vigor, a tributação sobre o patrimônio dessa camada mais privilegiada renderia à União R$ 12,35 bilhões anuais, ou seja, mais da metade dos R$ 20 bilhões que o governo brasileiro pretende arrecadar com os aumentos de impostos anunciados nesta semana. Na gaveta. Antes da proposta da psolista, diversas tentativas de regulamentar o tributo sobre patrimônios milionários foram enviadas ao Parlamento. A primeira delas, em 1989, do então senador Fernando Henrique Cardoso (PSDB), previa taxar patrimônios acima de dois milhões de cruzados – em valores atualizados, cerca de R$ 6,3 milhões. A proposta está pronta para ir a plenário desde o ano 2000. O tema voltou à pauta nas eleições do ano passado, quando Luciana Genro incluiu a proposta em sua plataforma de governo. Para ela, o debate ganha mais relevância agora, com o relatório da organização internacional Oxfam que aponta que, em 2016, 1% da população mundial vai controlar mais da metade da riqueza produzida no mundo. “O próprio Barack Obama, em seu discurso no Congresso, reafirmou a necessidade de se tributarem os mais ricos. No Brasil, infelizmente, há total surdez para essa discussão. Os políticos, em geral, são financiados justamente por essa parte milionária, composta por bancos e empreiteiras”, contrapõe. Para o economista e ex-assessor da ONU Ladislau Dowbor, não é somente a não aplicação do IGF que acaba por “livrar” os grandes proprietários de serem taxados com maior rigor. Segundo ele, 56% da carga tributária brasileira é cobrada da mesma forma, seja o contribuinte rico ou pobre. “Eu sou professor e pago os mesmos 27,5% de Imposto de Renda de que quem tem uma renda elevadíssima sustentada pela especulação financeira. Nós praticamente não temos o Imposto Territorial Rural, que, do jeito que é cobrado, permite que a terra seja subutilizada. A progressividade do IPTU praticamente não existe e é fundamental. Outro mecanismo utilizado para escapar das cobranças são os paraísos fiscais: US$ 19,5 bilhões estão no exterior”, explica Dowbor.

Cobranças Combustível. O aumento nas alíquotas da Cide e no PIS vai elevar o preço do litro da gasolina em R$ 0,22. Crédito. O IOF, que incide, por exemplo, no cartão de crédito, vai passar de 1,5% para 3%. Imposto de Renda. Reajuste de 6,5% na tabela foi vetado, o que aumentaria o limite para isenção de pagamento.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave