Estiagem força adaptações

Uberlândia, no Triângulo Mineiro, vive hoje em estado de atenção

iG Minas Gerais | Angélica Diniz |

O racionamento de água já é uma realidade em algumas cidades mineiras. Viçosa, na Zona da Mata, iniciou nesta semana um rodízio de distribuição. Segundo a prefeitura, no ribeirão São Bartolomeu, que abastece 70% do município, o nível do reservatório está crítico. O volume de captação de água, que normalmente chega a 300 litros por segundo, está em 40 litros por segundo.  

O empresário Roberto Batista, 49, dono de um supermercado, sentiu o impacto da falta de água em seu empreendimento. “Tive que fechar alguns banheiros, parar de lavar o chão, estocar água para usar no açougue. Neste ano, as dificuldades estão maiores e o único jeito, no momento, é economizar”.

Outro comerciante da cidade, Antônio Tiríaco Teixeira da Silva, 53, contou que em sua lanchonete ele tem usado materiais descartáveis, o que não tem agradado muito os clientes. A ameaça da falta de água também atrapalhou os planos de ampliação para seu negócio. “Eu havia previsto iniciar as obras de um novo empreendimento em 2015. Se o racionamento continuar, só vou pensar nisso no ano que vem”, lamentou.

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) da cidade informou que o rodízio não afetou escolas, creches, hospitais, postos de saúde e órgãos públicos, que estão sendo abastecidos por caminhões-pipa.

Para minimizar o problema, o Instituto Mineiro de Gestão de Águas (Igam) deve aprovar dentro de duas semanas uma outorga para aumentar o volume de água captado no rio Turvo Sujo pela Estação de Tratamento de Água da Violeira (ETA II).

Sem interrupção. Em Juiz de Fora, o rodízio já acontece desde outubro passado. O diretor-presidente da Cesama, André Borges de Souza, explicou que os quatro mananciais que abastecem a cidade, também na Zona da Mata, estão em nível crítico, o que tem comprometido o abastecimento. “Uma das represas está completamente vazia. Tivemos que usar a barragem Chapéu D’Uvas, que foi pensada para ser utilizada em caso de urgência, no futuro. Ela já está em funcionamento e é o que nos ajudará a garantir água em 2015”, alertou.

Uberlândia, no Triângulo Mineiro, vive hoje em estado de atenção. Técnicos do Departamento Municipal de Água e Esgoto acompanham os níveis dos dois reservatórios – represas dos sistemas Bom Jardim e Sucupira –, já que as chuvas não foram suficientes para regularizar a vazão do rio Uberabinha, que abastece o município. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave