Agentes da saúde rejeitam propostas da prefeitura e greve continua

Após assembleia-geral, os Agentes Comunitários de Saúde e de Combate a Endemias saíram em passeata pela Afonso Pena até a Secretaria Municipal de Saúde

iG Minas Gerais | JULIANA BAETA |

Após assembleia, agentes saem às ruas com destino à Secretaria Municipal de Saúde
divulgação/ sindibel
Após assembleia, agentes saem às ruas com destino à Secretaria Municipal de Saúde

O anúncio das propostas apresentadas pela prefeitura aos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e de Combate a Endemias (ACE) feito no mesmo momento em que a categoria realizava uma assembleia-geral, deixou os servidores indignados. Após a assembleia, eles saíram em passeata pela avenida Afonso Pena a caminho da Secretaria Municipal de Saúde, onde irão se reunir com o secretário às 17h. A greve, que começou no dia 5 de janeiro, continua.

Entre as propostas apresentadas estão a equiparação do salário-base e a incorporação de parte do valor do Prêmio Pró-Família. Segundo a prefeitura, "além de preservar integralmente a remuneração dos ACS, a proposta em questão representa um aumento no salário-base dessa categoria da ordem de 28%, com reflexos imediatos no 13º salário, 1/3 de férias, Bonificação por Cumprimento de Metas, Resultados e Indicadores (BCMRI), bem como na evolução do empregado na tabela salarial".

O problema, segundo a categoria, é que o que a prefeitura chamou de propostas, são na verdade, benefícios já conquistados. "A prefeitura quer incorporar ao salário os benefícios que a categoria já conquistou, e acha que isso representa um aumento no salário. Ao incorporar estes direitos ao salário-base, a prefeitura tenta maquiar o pagamento do piso nacional da categoria, que não está sendo feito", informou a assessoria do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte (Sindibel).

Além disso, a criação de um plano de carreira também não convém aos agentes, uma vez que já existe um plano de carreira para os servidores da saúde. "O que os ACS e ACE querem é a incorporação da categoria neste plano já existente, e não a promessa de um novo plano", informou ainda o Sindibel.

Uma nova assembleia-geral está marcada para a próxima sexta-feira (23), às 9h, na praça da Estação. Após o término da assembleia, o Sindibel divulgou uma nota de repúdio. Leia na íntegra:

"O Sindibel esclarece que o Prêmio Pró-Família e o Adicional de Insalubridade são direitos conquistados da categoria por meio de mobilização e ações judiciais e deverão ser mantidos. Os trabalhadores não aceitam que estes benefícios sejam convertidos em vencimento-base para "maquiar" o pagamento do Piso Salarial Nacional da categoria em Belo Horizonte.

Com relação ao Plano de Carreira, os ACE/ACS reafirmam sua reivindicação pela inclusão no Plano de Carreiras, Cargos e Salários (PCCS) dos servidores municipais da Saúde e não a criação de uma Plano de Carreira específico para a categoria".