Tinga crê em rápida adaptação de estrangeiros à filosofia do Cruzeiro

Os gringos que se preparem; eles serão recebidos de uma forma bem peculiar pelos novos companheiros

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Tinga está pronto para introduzir estrangeiros aos demais companheiros de Cruzeiro
Washington Alves/VIPCOMM
Tinga está pronto para introduzir estrangeiros aos demais companheiros de Cruzeiro

Em 2015, o elenco celeste vai além das fronteiras. Tem o colombiano Riascos, o camaronês Joel, o uruguaio Arrascaeta, além da possibilidade de uma dupla chilena formada por Seymour, já contratado, e Mena, que está à caminho. Apesar de certas dificuldades iniciais que os novos contratados terão pela frente, volante Tinga, um dos mais experientes do atual plantel celeste, crê em uma rápida adaptação dos novos contratados. E os gringos que se preparem. Eles serão recebidos de uma forma bem peculiar.

"A gente já bota no bobinho, e dá um bem-vindo (risos). Tivemos uma mudança muito grande que é natural. Falamos hoje de sete jogadores de peso que deixaram o clube, a maioria jogadores vencedores. Chega agora uma safra de jogadores com vontade de ganhar. O mais importante, eles chegam a um clube vitorioso, onde quer que passamos a gente desperta muita coisa boa. A responsabilidade aumenta, é colocar isto para os novos jogadores, deixar à vontade, aplicar a identidade do Cruzeiro, uma torcida que se acostumou a ganhar. Somos um time abastecido e alimentado por vitórias", destacou o jogador.

Com tantos latinos no elenco, outra adversidade que pode surgir é a língua. Mas Tinga garante que isto não será um empecilho. Todos estão prontos para treinarem seu 'portunhol' com os novos companheiros.

"A maioria já fala espanhol, até quem não fala espanhol, acha que fala. Colocam um Las, Los, la, e el nas coisas e acha que está falando. Eles (estrangeiros) chegam aqui não falando muito bem o português, mas entendem o que a gente fala. Acredito que não vai ter esta dificuldade de língua, até porque aqui tem um grupo muito receptivo. Estes dias, o Damião me chamou e disse que aqui era diferente, que em poucos dias eles estava se sentindo em casa, como se estivesse aqui há dois anos. Eles vão ser muito bem tratados e à vontade para desenvolver o que eles sabem", concluiu o jogador 

Leia tudo sobre: futebol nacionalcruzeiroraposatingaadaptaçãoestrangeiros