Kardec rebate provocações de palmeirense e elogia elenco tricolor

Em 2014, o atacante trocou o Palmeiras pelo São Paulo, o que desencadeou uma briga entre as diretorias dos dois clubes

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Alan Kardec deve atuar pelo lado direito do campo, mas poderá fazer a função também de centroavante
RUBENS CHIRI/ SAOPAULOFC.NET
Alan Kardec deve atuar pelo lado direito do campo, mas poderá fazer a função também de centroavante

Devido à disputa fora de campo, a rivalidade entre São Paulo e Palmeiras pode aumentar ainda mais em 2015. Pelo menos é o que pensa o atacante Alan Kardec.

"Cada clássico tem sua história, mas dentro do que vem acontecendo do ano passado para cá, pode ser criada uma grande rivalidade, principalmente nos bastidores", disse o jogador nesta quarta-feira (21), no CT da Barra Funda.

Em 2014, Kardec trocou o Palmeiras pelo São Paulo, o que desencadeou uma briga entre as diretorias dos dois clubes.

Com contrato até o fim de fevereiro, Wesley é outro palestrino que está perto de "pular o muro" -expressão usada em função da proximidade dos dois CTs.

Durante a busca por reforços para a atual temporada, as diretorias continuaram a se "enfrentar" nos bastidores. O volante Thiago Mendes, que interessava aos dois rivais, acabou acertando com o time tricolor. O Palmeiras respondeu com a contratação de Dudu.

Enquanto São Paulo e Corinthians travavam uma luta pela assinatura do jogador, os dirigentes alviverdes foram mais rápidos e acertaram a negociação sem fazer barulho. Deram um "chapéu" nos concorrentes.

"A contratação do Dudu foi boa para eles, mas é preciso ressaltar que temos um elenco de qualidade. Ficamos muito felizes com a chegada do [Jonathan] Cafu", opinou Alan Kardec.

No último sábado (17), o novo atacante palmeirense afirmou que poderia comemorar um gol diante do São Paulo fazendo o gesto de tirar o chapéu.

Nesta quarta, Kardec avisou que os são-paulinos podem responder à altura.

"Se ele diz que pode tirar o chapéu do lado de lá, podemos tirar daqui também", brincou o jogador. "As provocações são algo natural dentro do futebol. Só é preciso saber diferenciar a provocação sadia daquilo que pode gerar atitudes violentas", ponderou.

Leia tudo sobre: alan kardecatacantesao paulopalmeirasprovocaçao