Combinação sedã e motor 1.0 surpreende no Ka+

Motor 1.0 e sedã é uma combinação, em geral, desastrosa e o que podemos garantir é que o Ka+ é uma grata exceção neste caso

iG Minas Gerais | Igor Veiga |

Alexandre Carneiro – 26.11.2014
undefined

Por anos a fio, muito se falou sobre a lenda do Ford Ka quatro portas. De lá pra cá, incontáveis foram os boatos, projeções nas revistas automotivas, flagrantes do carro em testes nas ruas, confirmações e negativas da Ford sobre seu lançamento etc. No ano passado, com o lançamento da nova geração, finalmente o compacto ganhou as portas extras e a opção de carroceria sedã, batizada de Ka+. Testamos a versão de entrada do novo três volumes da Ford, a 1.0 SE, que custa a partir de R$ 40.390, e é surpreendente. Sobretudo no conforto e no desempenho.

Na pista. . O bravo e novo 1.0 de três cilindros da Ford não se deixa enganar e responde sem “choro” àMotor 1.0 e sedã é uma combinação, em geral, desastrosa. E o que podemos garantir é que o Ka+ é uma grata exceção neste casos pisadas no acelerador, rendendo até 80/85 cv de potência, a gasolina ou etanol, respectivamente, e com 10 kgfm de torque máximo aos 4.500 rpm.

Só para lembrar, o Fiesta sedã com motor 1.0 Rocam oferecia 73 cv e 9,3 kgfm. A evolução foi grande. As relações de marchas são longas e penalizam o desempenho em favor do consumo, mas essa escolha não compromete a performance do pequeno sedã. Chama a atenção também o bom isolamento acústico do carro.

O sedã vem equipado com direção elétrica, bem leve, e o acerto de suspensão favorece o conforto. O volante tem boa empunhadura, mas para o motorista faz falta o ajuste de altura do banco, item banal encontrado em outros modelos de entrada da concorrência. No entanto, estão lá a abertura interna do tanque de combustível e elétrica da tampa do porta-malas, acionado por meio da chave-canivete com controle remoto do modelo.

O espaço interno é correto, compatível com o do segmento. Quatro adultos viajam com conforto no Ka+ sem nenhum aperto no banco de trás. O tamanho do porta-malas chama a atenção, bem generoso, com capacidade de 445 l.

Por dentro, o acabamento do sedã é honesto. Predominam os elementos plásticos, mas todos muito bem-arrematados, sem sinais de rebarbas. Com leitura descomplicada, o painel de instrumentos é básico, e não traz computador de bordo.

Uma sacada bacana no carrinho é o My Ford Dock, uma espécie de gavetinha na parte de cima do painel que permite que você fixe seu smartphone na horizontal.

 

Ar, direção e bluetooth de série

Elo preço cobrado, até que o Ford Ka+ SE sai de fábrica bem-equipado. Além dos já obrigatórios freios ABS e airbag frontal duplo e dos itens já citados, também são de série no Ka+ 1.0 SE: ar-condicionado, chave-canivete com controle remoto, desembaçador do vidro traseiro, indicador de troca de marcha no painel, maçanetas e espelhos retrovisores externos na cor do veículo, rádio AM/FM com entrada USB e bluetooth, trava elétrica das portas e vidros dianteiros elétricos, entre outros.

A lista de concorrentes do sedã compacto da Ford é grande, mas os principais são: Fiat Grand Siena, VW Voyage, Toyota Etios, Renault Logan e Chevrolet Cobalt. O que podemos concluir é que o Ka+ não faz feio para nenhum deles, e só aumenta a dúvida dos interessados em adquirir um carro para a família dentro do grande leque de opções de compra.

Mercado. O novo Ka foi a “galinha dos ovos de ouro” da Ford em 2014. Mês a mês, desde seu lançamento, no segundo semestre de 2014, a nova geração do modelo vem batendo recordes atrás de recordes nas vendas, pulando de iniciais 7.088 para 12.717 unidades comercializadas, num comparativo entre os balanços do mês de setembro e dezembro de 2014.