Orçamento motivou corte de gastos, diz MP

O MPMG informou ainda que os auxílios moradia, saúde e livro ainda não foram pagos a nenhum promotor nem procurador

iG Minas Gerais | Isabella Lacerda |

Depois de publicar resolução com cortes de gastos, incluindo a proibição de contratar estagiários e de enviar Sedex, como mostrou nesta terça O TEMPO, o Ministério Público de Minas (MPMG) informou que a redução dos gastos será mantida até que a Lei Orçamentária Anual (LOA) seja votada pela Assembleia. De acordo com nota do MPMG, a não aprovação do Orçamento dentro do prazo usual, no mês de dezembro, fez com que o órgão só recebesse 80% dos recursos esperados mensalmente pelo Ministério Público, o que gerou a necessidade de economizar. “O corte de gastos divulgado na Resolução está relacionado a esse fato (de o Orçamento não ter sido votado)”, explicou o órgão. O MPMG informou ainda que os auxílios moradia, saúde e livro ainda não foram pagos a nenhum promotor nem procurador. Não houve resposta se os benefícios serão pagos a partir de fevereiro.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave