Funcionária da ONU é libertada na República Centro-Africana

Milicianos cristãos, que pediam a soltura de um de seus chefes detido na semana passada, afirmou um porta-voz do movimento

iG Minas Gerais | AFP |

Uma funcionária da ONU foi libertada depois de ter sido detida nesta terça-feira por várias horas em Bangui por milicianos cristãos anti-Balaka, que pediam a soltura de um de seus chefes detido na semana passada, afirmou um porta-voz do movimento.

"Obtivemos a libertação da funcionária da Minusca (Missão das Nações Unidas na República Centro-Africana). Acabamos de entregá-la à Minusca na presença de soldados (da força francesa) Sangaris", afirmou à AFP Igor Lamaka, porta-voz do movimento anti-Balaka.

O porta-voz da ONU em Nova York, Stephane Dujarric, confirmou a libertação da funcionária, cuja nacionalidade não foi revelada. "Foi libertada", declarou.

A missão da ONU neste país (Minusca) havia informado antes à AFP que "uma colega do escritório que se dirigia ao local de trabalho foi sequestrada nesta manhã por um grupo de homens armados próximos aos anti-Balaka. Estava junto com outra colega de nacionalidade ugandesa a bordo de nosso veículo, um micro-ônibus da ONU, encarregado de pegar os funcionários todas as manhãs para levá-los ao escritório".

Uma trabalhadora humanitária francesa de 67 anos e seu colega centro-africano, sequestrados na segunda-feira, seguiam em poder dos milicianos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave