Dirigente vê azar de nadador pego em doping e tentará reverter pena

João Gomes Júnior esteve presente na disputa das eliminatórias de três provas em que o Brasil ganhou medalhas de ouro em Doha

iG Minas Gerais | Folhapress |

SSubstância utilizada por João Gomes Júnior não foi divulgada
Satiro Sodre/SSPress
SSubstância utilizada por João Gomes Júnior não foi divulgada

O presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Coaracy Nunes, afirmou que tentará reverter a pena do nadador João Gomes Júnior, que pode ser suspenso por até quatro anos por doping.

Ele foi flagrado em exame feito pela Fina (Federação Internacional de Natação) durante o Mundial de Natação de Piscina Curta, em dezembro de 2014, em Doha, no Qatar.

"Não falei com ele ainda. Sei que ele está muito abalado. Estamos chocados. Vamos aguardar e tomar providências. Colocamos advogados a disposição do atleta", afirmou Nunes.

O dirigente informou que a CBDA vai trabalhar na defesa do atleta. O caso será julgado pela Fina. Segundo Coaracy Nunes, a federação ainda não foi informada sobre quando poderá recorrer no caso.

"Não sei o que houve, mas vamos tentar reverter a pena. O João Gomes Júnior é um garoto limpo. Foi um azar. Ele nunca teve problema com doping", disse o dirigente.

João Gomes Júnior esteve presente na disputa das eliminatórias de três provas em que o Brasil ganhou medalhas de ouro na competição: nos revezamentos 4x50m medley, 4x100m medley e 4x50m medley misto.

Flagrado em doping, ele perderia as medalhas. Com isso, o país pode ficar sem os três ouros e, consequentemente, o título no Mundial de Doha.

Não foi divulgada a substância proibida usada pelo brasileiro, mas a reportagem apurou que a CBDA já começou a trabalhar na defesa do atleta, considerando a possibilidade de alegar que o doping foi acidental. Ele teria ingerido um diurético presente em um medicamento de manipulação.

Leia tudo sobre: joão gomesdopingcbdamundial dohamedalhas