Justiça determina que médicos voltem ao trabalho no DF

Contrários à proposta de parcelamento de benefícios atrasados, como horas extras e décimo terceiro salário, os médicos decidiram entrar em greve na última sexta-feira (16)

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios acatou pedido feito pelo governo do DF e determinou a suspensão da greve dos médicos, com aplicação de multa de R$ 80 mil em caso de descumprimento. Contrários à proposta de parcelamento de benefícios atrasados, como horas extras e décimo terceiro salário, os médicos decidiram entrar em greve na última sexta-feira (16).

No despacho, o desembargador de plantão Cruz Macedo sustentou que há “provável ilegalidade” no movimento. Pela decisão liminar concedida na noite de segunda-feira (19), além do retorno às atividades, os médicos ficam proibidos de praticar qualquer ato que impeça o funcionamento de hospitais ou unidades de saúde, como o bloqueio de entrada ou a permanência de profissionais da área ou do público em geral.

Por meio da assessoria de imprensa, o Sindicato dos Médicos do Distrito Federal informou que ainda não foi notificado da decisão, mas que pretende recorrer para derrubar a liminar. Sobre o fim da greve, o SindMédico-DF comunicou que a decisão sobre a manutenção do movimento só será tomada em assembleia, marcada para amanhã (21) à noite.

Na segunda-feira (19), o governador Rodrigo Rollemberg decretou situação de emergência na saúde do DF por 180 dias devido ao desabastecimento de medicamentos e materiais na rede pública, o que tem acarretado o fechamento de leitos de UTI, fato agravado pela greve dos médicos. Com a medida, o governo local poderá, por exemplo, adquirir medicamentos, insumos e equipamentos sem fazer licitação, voltar a autorizar a realização de horas extras e estender a carga horária dos profissionais da área de 20 horas para 40 horas semanais.