Premiê do Iêmen continua cercado por milicianos xiitas após ataques

Milicianos armados bloqueiam as entradas leste, oeste e sul do palácio republicano, que é a residência do chefe de governo Khaled Bahah, informou uma autoridade iemenita

iG Minas Gerais | AFP |

Yemeni men stand next to a charred vehicle outside a heavily damaged house near the presidential palace in Sanaa on January 20, 2015, following fierce clashes between Huthi militiamen and the presidential guard the previous day.
MOHAMMED HUWAIS / AFP
Yemeni men stand next to a charred vehicle outside a heavily damaged house near the presidential palace in Sanaa on January 20, 2015, following fierce clashes between Huthi militiamen and the presidential guard the previous day.

A residência do primeiro-ministro do Iêmen em Sanaa continua cercada nesta terça-feira  (20) por milicianos xiitas, um dia após os confrontos nos arredores do palácio presidencial, constatou um correspondente da AFP.

Milicianos armados bloqueiam as entradas leste, oeste e sul do palácio republicano, que é a residência do chefe de governo Khaled Bahah, informou uma autoridade iemenita.

Os milicianos também fecharam duas avenidas que levam à residência, localizada no centro da capital.

O comboio do primeiro-ministro sofreu um ataque dos milicianos xiitas  na segunda-feira (19), enquanto os combates se concentraram nos arredores do palácio presidencial, localizado no sul de Sanaa.

Neste setor, os combates pararam segunda à tarde, com a entrada em vigor de uma trégua, mas a tensão permanece alta.

O presidente Abd Rabbo Mansur Hadi, que raramente utiliza o palácio presidencial, está em sua residência em Sanaa, de acordo com um oficial iemenita. Ele tenta reunir todas as forças políticas no Iêmen para estabelecer, de acordo com um porta-voz oficial, "um roteiro para acabar com a violência".

Os combates de segunda-feira  (19) fizeram ao menos 9 mortos e 67 feridos, de acordo com o ministério da Saúde.