Taxista e filha de 5 anos foram mortos a tiros, conforme a Civil

Corpos foram encontrados carbonizados, nesse domingo (18), em Santa Bárbara do Monte Verde, a 70 KM de Bom Jardim de Minas, onde moravam; ninguém foi preso

iG Minas Gerais | Gustavo Lameira/João Paulo Costa |

Vítimas saíram de casa no último sábado (17)
FACEBOOK / REPRODUÇÃO
Vítimas saíram de casa no último sábado (17)

Conforme a Polícia Civil de Rio Preto, na Zona da Mata Mineira, pai e filha encontrados mortos nesse domingo (18) foram executados a tiros. Os corpos carbonizados do taxista Natanael José Landim, de 40 anos, e de Gabriele, 5, estavam em uma estrada de terra, na cidade de Santa Bárbara do Monte Verde, a 70 KM de Bom Jardim de Minas, onde moravam.

A corrida foi solicitada por telefone no sábado (17). O táxi, também incendiado, foi localizado no município de Lima Duarte, na mesma região.

De acordo com o delegado Márcio Savino Lopes, a necrópsia inicial aponta que as vítimas foram mortas por disparos de arma de fogo e, só depois, tiveram os corpos queimados, dando características de uma execução. Duas equipes da Civil trabalham em tempo integral nas investigações.

"Por agora, para não atrapalhar as investigações, só posso revelar que nos próximos dias teremos algo mais concreto”, assegurou Lopes. Relembre

A morte de um taxista de 40 anos e da sua filha de apenas 5 chocou os moradores da pequena cidade de Bom Jardim de Minas, na Zona da Mata mineira. Natanael José Landim recebeu um telefonema solicitando uma corrida, levou a filha, Gabriele, e desapareceu, no último sábado (17). No domingo (18), os corpos do pai e da criança foram encontrados carbonizados uma cidade a cerca de 70 km da deles.

De acordo com uma vizinha, que pediu para não ter o nome divulgado, uma mulher ligou solicitando a corrida. “A família nos contou que a ligação aconteceu por volta das 19h30, e que a pessoa pediu para ser levada até Capelinha do Pacau, na zona rural. Como era perto, ele resolveu levar a filha. Acreditamos que ele conhecia a passageira e achou que não tinha perigo levar a menina”, disse a dona de casa. Depois disso, eles não foram mais vistos.

Já nesse domingo, o Fiat Uno da vítima foi encontrado totalmente queimado no povoado de Manejo, na zona rural de Lima Duarte, cerca de 50 quilômetros da cidade que as vítimas moravam. Com a placa do veículo, foi possível chegar ao nome de Landim. Policiais de Lima Duarte entraram em contato com a equipe de Bom Jardimde Minas e descobriram que o dono do automóvel havia desaparecido. Próximo ao Fiat Uno foi encontrada uma garrafa pet vazia com odor de gasolina.

Durante o registro da ocorrência do carro incendiado, a equipe recebeu a informação de que dois corpos haviam sido encontrados parcialmente carbonizados em uma estrada de terra perto de Santa Bárbara do Monte Verde, a 20 quilômetros de Lima Duarte.

Os corpos estavam cobertos com tapetes do carro e envolvidos em pneus. Familiares de Landim e Gabriele estiveram no local e identificaram as vítimas.  A autoria e motivação dos crimes são um mistério.

Desespero e buscas

De acordo com a vizinha das vítimas, na noite de sábado, como o marido e a filha não voltaram da corrida de táxi, a mulher de Landim pediu ajuda a alguns amigos de igreja e passou a noite toda procurando pelos dois. Já na manhã de domingo, como não encontrou, pediu ajuda a vizinhos e conhecidos.

“Nos reunimos e fizemos o trajeto até Pacau com carros e motos, mas não encontramos pistas. Também divulgamos o desaparecimento pelas redes sociais com fotos deles. Foi muito triste receber a notícia de que os corpos foram encontrados”, disse a jovem. Landim era casado e tinha apenas Gabriele como filha. Na casa moravam ele, a companheira, a menina e a sogra. A mãe e a avó da criança foram medicadas e estão em casa com familiares.

O vendedor Edmilson Silva, de 24 anos, amigo do taxista, afirmou que o homem não tinha desafetos. “Ele trabalhava com táxi há quase três anos. Nunca o vi se envolver com problema algum, era um cara humilde e trabalhador”, disse o jovem.

Leia tudo sobre: MortetaxistacarbonizadospaifilhaPolícia CivilLima Duarte