CBV e Banco do Brasil oficializam manutenção do acordo

Confederação Brasileira de Voleibol irá atender as exigências, após toda a polêmica do Dossiê Vôlei

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Alexandre Arruda/CBV
undefined

A Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e o Banco do Brasil (BB) reataram a parceria. A manutenção do acordo foi oficializada nesta segunda-feira. Foram assinados os aditivos dos contratos de patrocínio para o esporte.

A CBV terá de cumprir todas as exigências propostas pela Controladoria-Geral da União (CGU), após serem constatadas, através do Dossiê Vôlei, as irregularidades da gestão Ary Graça.

“A CBV nunca pensou em encerrar o patrocínio, mas tínhamos ciência de que precisávamos racionalizar gastos, melhorar o controle e uma gestão que pudesse gerar ainda mais conquistas, ainda mais desenvolvimento e ainda mais orgulho aos brasileiros. Nós temos esse compromisso não só com o Banco do Brasil, mas com nossos outros parceiros, nossos atletas, e o mais importante, o compromisso com o amante do voleibol brasileiro", afirmou o atual presidente da CBV, Walter Pitombo Larangeiras, ao site UOL Esporte.

“Entre as novas cláusulas, constam a implantação de um novo Regulamento de Contratações, a criação de um Comitê de Apoio ao Conselho Diretor da CBV com participação de representantes da comunidade do vôlei, a reformulação do Conselho Fiscal, a definição de parâmetros para pagamento de bônus de performance a atletas, a criação da Ouvidoria e a implementação de medidas que busquem ressarcir a Confederação dos serviços contratados sem a devida comprovação da execução. Com a assinatura do aditivo, o Banco do Brasil retomará os pagamentos referentes ao contrato, suspensos desde dezembro, mas condiciona a continuidade do patrocínio à implementação, no prazo de 90 dias, das ações formalizadas no aditivo”, informou o BB por meio de nota oficial.

Leia tudo sobre: CBVBanco do Brasil