Marcelo Oliveira tira lições de amistoso e espera melhor até o Mineiro

Treinador justificou a falta de ritmo de jogo evidente na partida e se mostrou tranquilo quanto à evolução da equipe

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Marcelo Oliveira analisa elenco e reforços do Cruzeiro
WASHINGTON ALVES/LIGHTPRESS
Marcelo Oliveira analisa elenco e reforços do Cruzeiro

Marcelo Oliveira já sabia que não podia esperar vida fácil no amistoso contra o Londrina, que terminou com vitória paranaense por 1 a 0. O clube do sul do país começou a pré-temporada em dezembro, um tempo que ficou bem evidente em campo diante de uma equipe que se reuniu há pouco mais de uma semana.

Diante do resultado, o treinador da Raposa tirou de positivo a oportunidade de fazer alguns testes e poder observar seus comandados. Mais que isso, começar a montar uma equipe que foi pega “de surpresa” com a saída do lateral-esquerdo Egídio, do volante Nilton e do atacante Goulart.

“Nós não tínhamos como nos preparar muito para o amistoso. Viemos cumprir o compromisso, mesmo sabendo que com 11 dias o time não ia render a mobilidade esperada. Eles (o Londrina) fizeram a pré-temporada em dezembro, pararam, e só fizeram a manutenção. No primeiro tempo isso ficou muito evidente”, explicou o treinador.

Sem ritmo, outro problema visto foi a falta de entrosamento, especialmente por causa da mistura entre titulares do ano passado, reservas e reforços. Algo que já está sendo trabalhado e não vai deixar o Cruzeiro cair de produção, garante Marcelo.

“O Cruzeiro vai ser forte, mesmo perdendo jogadores de forma surpreendente. Não esperávamos a saída do Egídio, do Goulart e do Nilton, mas os clubes tem seus interesses. Precisamos do reentrosamento, fizemos apenas um coletivo. Mas à medida que vai se repetindo a escalação, eles vão se conhecendo melhor. É um processo, esperamos chegar bem no dia primeiro de fevereiro contra o Democrata (pelo Mineiro), que é o importante”, explicou.

Leia tudo sobre: cruzeiroraposaamistosomarcelo oliveiratecnicolondrinafutebol