Público lota GastroPark, que traz tendência do “food truck”

No ano passado a chuva não intimidou os frequentadores e, neste domingo (18), o calor também não impediu que o evento fosse um sucesso

iG Minas Gerais | LUCIENE CÂMARA |

Cidades - Do dia - Belo Horizonte MG
Gastro Park - Feira de gastronomica diferente . Em um estacionamento Food Truck e barraquinhas no Sao Pedro na regiao sul da capital 
Na foto: da esquerda para a direita Ana Luiza Corsino , Leticia Matoso proprietarias da barraquinha El Choripan e a cliente Larissa Machado

FOTO: MARIELA GUIMARAES / O TEMPO 18.1.2015
MARIELA GUIMARAES / O TEMPO
Cidades - Do dia - Belo Horizonte MG Gastro Park - Feira de gastronomica diferente . Em um estacionamento Food Truck e barraquinhas no Sao Pedro na regiao sul da capital Na foto: da esquerda para a direita Ana Luiza Corsino , Leticia Matoso proprietarias da barraquinha El Choripan e a cliente Larissa Machado FOTO: MARIELA GUIMARAES / O TEMPO 18.1.2015

A primeira edição do GastroPark, em dezembro passado, foi debaixo de muita chuva em Belo Horizonte e, mesmo assim, atraiu cerca de 1.200 pessoas. Neste domingo (18) o evento se repetiu, dessa vez sob um sol escaldante de mais de 30º C, e fez lotar o estacionamento do Krug Bier, no bairro São Pedro, na região Centro-Sul. A ideia de reunir comida de rua feita sobre rodas – o chamado food truck que já é tendência em muitas cidades – caiu no gosto do belo-horizontino.

A expectativa dos organizadores era atrair cerca de 2.000 mil pessoas e, desde que o estacionamento de cerca de 700 metros quadrados foi aberto ao público, às 12h, o movimento foi intenso. O calor no local, que ficou coberto por tendas, não intimidou os visitantes. A música brasileira selecionada por um dj e algumas mesas e cadeiras deram um clima de conforto.

O professor de inglês Wendel Pedersiane, 27, já foi chefe de cozinha e foi ao local atraído pela gastronomia. “Vim aqui experimentar, a ideia é muita boa”, disse. Junto com a mulher Larissa Machado, 25, ele provou um sanduíche uruguaio e argentino do El Choripan, feito com linguiça de pernil e pão, ambos artesanais, além de um molho de ervas. Vendido por R$ 15, o prato foi um dos mais consumidos no local. “Já saíram quase 300 sanduíches hoje”, disse Ana Luiza Corsino, uma das sócias do El Choripan, por volta das 15h.

O cardápio do evento tinha também, entre as diversas opções, costela ao barbecue do Grampa’s Attic Pub, cachorro quente, tacos e comida mexicana do Viciante Food Truck, e crepes e tapiocas do Crepioca. Para beber, cervejas especiais, vinhos, café gelados e sucos naturais. A entrada no local era franca e o preço dos pratos variava de R$ 2 o brigadeiro simples até R$ 30 a costela do Grampa's.

“Além de trazer uma tendência mundial, que é o food truck, o GastroPark tem entrada gratuita e aqui as pessoas podem comer pratos de qualidade a preços acessíveis”, disse um dos organizadores Guilherme Azevedo. O formato do evento consiste em reunir caminhões, kombis e furgões que vendem comida pela cidade, além de restaurantes que participam de eventos gastronômicos itinerantes. Hoje, a iniciativa reuniu quatro food trucks e cinco barracas.

Entre eles, havia até um triciclo da franquia de sucos e produtos naturais Kiwi, que formou fila no local. “Com esse calor, oferecemos sucos integrais e detox, próprios para o verão”, disse o franqueador Ray Chalub.

Próximas edições

O GastroPark tem dado tão certo que os organizadores decidiram realizar o evento mensalmente e, a partir de maio, tornar a atividade quinzenal, cada vez em um ponto diferente da cidade, seja na rua ou em estacionamentos. A terceira edição ainda não está fechada, mas a intenção é que ela ocorra no fim de semana após o Carnaval.

A agenda do próximo GastroPark deve ser divulgada nesta semana. Em maio, há articulações para o evento ocorrer na Pampulha, durante uma iniciativa cultural.

Leia tudo sobre: gatronomiagastroparkfood truck