Trabalho de base desperta atenção de Rubén Magnano

Comandante elogiou iniciativa e não pôde evitar comparação com seu país natal

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Formação. Rubén Magnano elogiou o trabalho feito pela Federação Mineira de Basquete para garimpar novos talentos no esporte
cbb/divulgação - 31.07.2014
Formação. Rubén Magnano elogiou o trabalho feito pela Federação Mineira de Basquete para garimpar novos talentos no esporte

O técnico da seleção brasileira masculina de basquete, o argentino Rubén Magnano, mostra-se ciente das diferenças no trabalho de formação de base entre Brasil e Argentina. Sabendo que lamentar de nada adiantará, ele prefere ressaltar iniciativas como a da Federação Mineira de Basquete (FMB), que realiza clínicas para jovens atletas, ministradas por ele e por seu compatriota Ricardo Bojanich.  

“Vi poucas ações como esta aqui, e são todas louváveis, até por não acontecer com frequência em território brasileiro. Na Argentina, já temos meninos de 7 e 8 anos treinando e jogando, sistematicamente. Isso os faz estar em um outro nível quando atingem uma idade mais avançada. Se pensar que estes garotos daqui têm 13 e 14 anos, fica claro que temos uma diferença de tempo que não é fácil de ser recuperada. É preciso estar atento a isso”, salienta Magnano.

Mesmo responsável pela seleção adulta, Magnano deixa claro sua intenção em observar e contribuir no desenvolvimento dos mais jovens, que serão parte, em alguns anos, do futuro do basquete nacional. “Aqui no Brasil falta muito trabalho nas categorias de base”, resume o treinador, que garante estar atento a quem aparece na sua frente com uma bola laranja. Naturalmente que Magnano concentra seu foco em jogadores que podem ser selecionados para sua equipe, em imediato ou a curto prazo.

“Todos os jogadores me interessam. Não gosto de falar nomes, e você não vai ouvir nada da minha boca sobre este ou aquele jogador. Olho todos e fico atento a cada jogo que vou. Aqui no Minas me interessa muito um jogador. Em Bauru também vi um que ainda não conhecia”, indica o treinador, sabendo que ampliar os horizontes pode ser uma ferramenta importante na construção do seu time.

DE OLHO NO RIO. Magnano sabe que o ano de 2015 será importante para formar o elenco que irá disputar os Jogos Olímpicos de 2016 dentro de casa, no Rio de Janeiro. Inevitavelmente, ele conta com os jogadores que atuam na NBA para as disputas do ano que começou. Por mais que pareça provável, a presença automática do Brasil na competição na Cidade Maravilhosa ainda não está garantida. O prazo para esta definição é o mês de março.

“Ainda não temos essa resposta. Sabemos que de algumas competições participaremos, como o Mundial Universitário, na Coreia do Sul, além do Pan-Americano e do Pré-Olímpico. Precisamos ter uma definição para fechar o nosso planejamento”, salienta.

Ação aprovada Além da capital. A clínica da Federação Mineira de Basquete (FMB) contou com a presença de 30 jogadores, de várias cidades de Minas Gerais, além de dez treinadores. Aprendizado. Os atletas foram indicados por seus técnicos e estiveram com Rubén Magnano e Ricardo Bojanich, no Minas Tênis Clube, treinando durante dois dias, em período integral. “Vou levar essa experiência para os meus colegas que não puderam estar aqui. Foram momentos para guardar para sempre”, comemora Vinícius Santiago, atleta da Caldense-Smel, de Poços de Caldas, no Sul de Minas.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave