Sada Cruzeiro volta a vencer UFJF e já pensa na Copa Brasil

Equipe celeste venceu aguerrido adversário por 3 a 1 em jogo bastante disputado

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

UFJF segue sem vencer o time azul na história dos confrontos
LÉO FONTES/O TEMPO
UFJF segue sem vencer o time azul na história dos confrontos

Se a torcida celeste termia pela ausência do levantador William, contra a UFJF, neste sábado, no ginásio do Riacho, em Contagem, a felicidade ao ver o jogador em quadra só não foi completa na hora em que o ponta cubano Leal não foi visto no aquecimento. O jogador foi poupado pelo técnico Marcelo Mendez depois de sentir uma fisgada na coxa, no jogo da última quinta-feira, contra o mesmo UFJF, pela Copa Brasil. Já William se mostrou recuperado de uma contratura nas costas e deu seu parcela de contribuição na vitória por 3 a 1 (25/21, 25/22, 22/25 e 25/22).

A UFJF segue sem vencer o time azul na história dos confrontos. Apesar da invencibilidade celeste, muita dificuldade foi imposta aos donos da casa, assim como havia acontecido há poucos dias, quando o triunfo só foi confirmado após cinco sets. “Eles nos deram muito trabalho, estão jogando bem e estão de parabéns. A linha de passe e a virada de jogo deles evoluiu bastante nos últimos jogos. Ainda não estamos no nosso melhor nível, mas depois de ficar alguns dias parado e já ter jogado alguns jogos e vários sets, já deu a hora de apresentar nosso melhor rendimento”, mostra Marcelo Mendez.

A partida deste sábado, válida pela quinta rodada do returno da Superliga masculina foi quente, assim como a temperatura do lado de dentro e fora do ginásio, que marcou os 33 graus.

O ponta Filipe foi eleito o melhor jogador em quadra na vitória de número 15 do seu time em 16 jogos.

Jogo teve placar diferente, mas dificuldade parecida com o jogo anterior

A UFJF mostrou o mesmo ímpeto que havia deixado em quadra na partida de quinta. No começo da partida, o time de Juiz de Fora aproveitou a dificuldade do Sada Cruzeiro na recepção e ataque para abrir três pontos até o primeiro tempo técnico. Na volta, seguidos pontos de bloqueio dos azuis permitiram a virada. Com uma pitada de sorte em um dos pontos de Éder, o primeiro set parecia mesmo a favor do Cruzeiro, que saiu na frente depois de acertar o passe.

No segundo set, a UFJF repetiu o bom começo de jogo e até a vantagem de 8 a 5 nos minutos iniciais da etapa. Na sequência, o Sada melhorou seu volume de jogo para virar o jogo, não deixando o adversário recuperar o bom momento. Uma reação até foi ensaiada pelos visitantes, mas nada que impedisse que o 2 a 0 fosse aberto.

No terceiro set, o quadro foi diferente das parciais anteriores. O equilíbrio apareceu desde o começo, com troca constante de pontos. Mesmo sabendo da missão complicada, a UFJF continuou aguerrida e bem postada na defesa. Um 16 a 14 no segundo tempo técnico mostrou que nada estava perdido. O empate buscado pelos cruzeirenses nos 18 pontos não fez o time do interior abaixar a guarda. Em falhas celestes, a UFJF abriu 22 a 18 e só administrou para diminuir a vantagem.

O quarto set era o momento definição. A pequena diferença a favor do Sada apareceu no começo da parcial, mas parou quando o time da Zona da Mata buscou a virada. Com a força da torcida, que voltou a incentivar, o Sada Cruzeiro foi pra cima em busca de não deixar escapar os três pontos. Mesmo com dificuldades, os atuais campeões brasileiros conseguiram fechar e fazer bem o dever de casa, esperando o final da rodada para saber o número de pontos em relação ao vice-colocado.

Na pior das hipóteses, a diferença será de sete, confirmando uma campanha diferenciada, onde os adversários olham de longe o melhor time do país na ponta da classificação.

Chip muda. Agora, o Sada Cruzeiro já pensa no Funvic-Taubaté-SP, adversário de quinta-feira, pelas semifinais na Copa Brasil, que dá vaga no Sul-Americano. Uma vitória garante os mineiros na final da competição em que é o atual campeão. Mesmo já tendo vaga garantida no torneio continental, por ser o atual campeão brasileiro, a meta celeste é levar para casa mais um troféu e manter a sina de ser um carrasco para seus principais adversários.

Leia tudo sobre: VÔLEIsada cruzeiroufjfsuperliga masculina