Reunião em fevereiro poderá selar acordo do Cruzeiro com a Caixa

Outras duas empresas se mostraram interessadas em estampar suas marcas na camisa celeste; no entanto, diretoria possui conversas adiantadas com banco estatal

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA E GUILHERME GUIMARÃES |

Patrocínio de banco estatal é um dos assuntos prioritários da diretoria
Washington Alves/VIPCOMM
Patrocínio de banco estatal é um dos assuntos prioritários da diretoria

Uma reunião no início de fevereiro poderá selar a Caixa Econômica Federal como o novo patrocínio master do Cruzeiro. O interesse mútuo no acordo, além da manutenção da diretoria da instituição financeira estatal, presidida por Jorge Fontes Hereda, são os indícios de que o acerto está próximo. Em conversa com a reportagem do SuperFC, o diretor comercial do Cruzeiro, Robson Pires, destacou ainda o contato de outras duas empresas interessadas em estampar sua marca na camisa celeste. No entanto, o interesse da equipe segue atrelado à Caixa, restando detalhes que poderão ser acordados no encontro do próximo mês.

"Existe sim (outras empresas interessadas), mas nós temos uma negociação mais avançada com a Caixa. O que estávamos esperando era uma definição da manutenção ou não da diretoria, mas o que nós vimos nesta semana foi que a Presidente manteve a diretoria, Nós temos agora no início de fevereiro uma reunião para a gente sentar e ultimar estas negociações. Existe um interesse mútuo, o Cruzeiro de fechar este contrato com Caixa, e a Caixa de patrocinar o Cruzeiro", afirmou o dirigente, sem revelar o nome das outras empresas interessadas em patrocinar o Cruzeiro.

"Nós vamos sentar agora em fevereiro, vamos avançar em termos de valores para ver se conseguimos fechar com a Caixa. Mas nós somos sondados constantemente por outras empresas. Nós temos conversas com mais uma ou duas empresas, e por ser uma conversa inicial, a gente não divulga", completou.

Caso a negociação com a Caixa tenha um fim satisfatório para as partes, o Cruzeiro já poderá estampar o novo patrocínio na estreia da Copa Libertadores. Os valores ainda não foram acertados, mas a expectativa celeste é que o dinheiro atinja cifras não tão inferiores aos valores destinados a Flamengo e Corinthians. A dupla recebe aproximadamente R$ 30 milhões. 

"É possível. Porque nós jogamos no dia 25 de fevereiro, se agente conseguir fechar um contrato no início ou até meados de fevereiro há tempo ábil para jogarmos o primeiro jogo com o patrocinador. Porque a gente consegue montar o material para o jogo em três dias. Agora, para colocar o produto no ponto de venda aí demora um pouco mais, demanda no mínimo 90 dias, 120 dias porque é um processo industrial", finalizou Robson. 

Leia tudo sobre: futebol nacionalcruzeiroraposapatrocíniocaixa