Hackers invadem site da UFRJ contra o "desrespeito ao profeta Maomé"

"Nos impeça se conseguir, Israel", diz texto

iG Minas Gerais | Folhapress |

Reprodução / site UFRJ
undefined

O site do departamento de história da UFRJ foi hackeado na manhã deste sábado (17) por um grupo muçulmano em protesto contra "o desrespeito ao amado profeta Maomé". O site da revista Itaca, publicação do IFCS (Instituto de Filosofia e Ciências Sociais) da UFRJ, também foi hackeado.

O grupo que diz ter sido autor da ação é o BD Grey Hat Hackers, de Bangladesh. Não é possível dizer a que horas os sites foram hackeados, mas até às 12h42 deste sábado (17) eles continuavam fora do ar. Na tela de fundo preto e frases em verde, os hackers afirmam, em inglês, que o "Islã não promove terrorismo". Segundo os ativistas, se promovesse, a sociedade estaria em perigo, já que, de acordo com a mensagem, são 2,6 bilhões de muçulmanos no mundo. "O Islã não se trata de 'nós somos melhores que você'. O Islã é 'deixe-nos mostrar algo que é melhor para você'", diz a mensagem. "O Islã não promove o terrorismo, você não estaria vivo agora [se promovesse]. Somos mais de 2,6 bilhões [no mundo]". Mesmo tentando passar uma mensagem de esclarecimento e compreensão de que terrorismo e o Islã não são a mesma coisa, os hackers finalizam o texto dizendo para as pessoas "tomarem cuidado" e lançando um desafio ao governo de Israel: "Nos impeça se conseguir, Israel". A UFRJ ainda não se pronunciou sobre o caso.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave