Mais caras, térmicas seguem ligadas neste ano, diz ministro

Para Braga, os problemas no fornecimento de energia vistos neste verão são "pontuais" e "ocasionais"

iG Minas Gerais | Folhapress |

Eduardo Braga é o autor da emenda que altera os investimentos
Luiz Alves/Agëncia Senado 17.11.2012
Eduardo Braga é o autor da emenda que altera os investimentos

O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, reconheceu que será necessário manter as térmicas ligadas neste ano -o que onera a tarifa de energia-, mas descartou a necessidade de racionamento.

O ministro afirmou que o menor custo depende, em parte, do consumidor agora com o sistema de bandeiras tarifárias. Ou seja, se usar menos energia, a utilização das térmicas poderá não se prolongar tanto.

Pelo novo regime, diz, o cliente "sabe qual matriz energética" está sendo usada e pode contribuir para reduzir o consumo.

A bandeira vermelha, que encarece a tarifa em R$ 3 a cada 100 kWh consumidos, indica o uso intenso das termelétricas, cuja geração é mais cara.

Indagado sobre o reajuste da tarifa neste ano, Braga disse que será inferior a 40%, mas não arriscou um percentual.

RACIONAMENTO

Para Braga, não há necessidade de racionamento, apesar de 2015 apontar para um regime de chuvas similar ao de 2014 -um dos piores da história.

O ministro ressaltou, porém, que há previsão de mais chuvas no Sul e Norte neste ano, onde estão grandes usinas, como Itaipu, Tucuruí, Santo Antônio e Jirau. No Sudeste e Centro-Oeste, a situação será parecida com 2014.

Para Braga, os problemas no fornecimento de energia vistos neste verão são "pontuais" e "ocasionais". Nada tem a ver, diz, com falhas na geração de energia, apesar do baixo nível de alguns reservatórios de usinas.

O ministro reconheceu, porém, que é "preciso melhorar e investir" na chamada rede de baixa tensão, utilizada nas áreas urbanas pelas distribuidoras para levar a energia aos consumidores residenciais ou pequenos comércios.

As redes, diz, precisam ser modernizadas, automatizadas e ganhar eficiência -ou seja, reduzir perdas, o que também onera a tarifa final de energia.

Um dos motivos da demora no retorno do suprimento de energia em caso de interrupção é o baixo nível de automação das redes.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave