Ritmo de vendas de imóveis em BH está três vezes menor

Em 2014, a cada cem unidades ofertadas em BH, 7,2 foram vendidas; em 2010 eram 22,6

iG Minas Gerais | Angélica Diniz |

Expectativa. Casa na Floresta está à venda há cerca de um ano
douglas magno
Expectativa. Casa na Floresta está à venda há cerca de um ano

Com preços nas alturas e crise na economia, as vendas de imóveis já não estão mais tão aquecidas como antigamente. Levantamento da Câmara do Mercado Imobiliário e do Sindicato da Habitação (CMI/Secovi-MG) indica queda de 2,06% nos dez primeiros meses do ano passado. Mas basta olhar para placas de “vende-se” espalhadas para perceber que elas têm ficado lá por mais tempo, confirmando que o volume de imóveis encalhados é ainda mais alto. Hoje, a velocidade de vendas está três vezes menor do que há cinco anos.  

De acordo com levantamento da economista do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-MG), Ieda Vasconcelos, em 2010, a cada cem imóveis colocados à venda, cerca de 22 eram vendidos. Em 2014, o ritmo foi de um pouco mais de sete unidades. A pesquisa usou a média geral dos períodos de janeiro a outubro.

Na rua Pouso Alegre, uma das principais vias do bairro Floresta, na região Leste da capital, há uma concentração de casas, apartamentos e pontos comerciais a serem negociados. Dono de um bar nessa rua há 12 anos, Sheik Baklim, 64, observa como a oferta de imóveis para vender ou alugar tem crescido. “A casa ao lado está há pelo menos três anos com a placa “vende-se”, e a da frente está na mesma situação há um ano. Os preços estão absurdos, e as pessoas, sem dinheiro”, afirmou Baklim.

Com a oferta alta e a demanda baixa, a corretora da empresa Era Imóveis, Carla Vieira, 36, alerta que nem sempre é um bom negócio deixar o imóvel parado por muito tempo. Segundo ela, os proprietários que não abrem mão do preço podem perder dinheiro. “Já estive com um apartamento no bairro Santo Agostinho que demorou muito para ser vendido. O dono, que pediu R$ 1,2 milhão, acabou vendendo por R$ 900 mil, três anos depois”.

Para não encalhar os imóveis, a aposentada Margareth Oliveira, 62, que possui algumas propriedades alugadas, afirma que o jeito é negociar os preços. Ela tem atualmente uma casa também na rua Pouso Alegre, disponível há cerca de dois meses, mas não teme a demora. “Sou adepta da negociação. Sempre tenho uma margem para que o imóvel não encalhe”, disse.

Em 2013, a velocidade de vendas foi de 10,17%. Pela avaliação de Ieda, o balanço fechado de 2014 – que até outubro estava com a taxa de 7,2% – deve trazer um número semelhante, uma vez que, nos últimos dois meses, o mercado imobiliário registrou recuperação. 

Entenda

Dados. Os levantamentos da venda de imóveis da CMI/Secovi e do Sinduscon-MG são feitos em parceria com o Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativa (Ipead-UFMG)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave