Cultura afro-brasileira valorizada pela arte

Grupo O Som da Terra, composto por jovens contagenses, busca valorizar por meio do canto, da dança e da percussão a cultura de matriz africana

iG Minas Gerais |

O Som da Terra. 
Grupo é composto por 25 pessoas, que atuam nas apresentações culturais e nos ensaios na sede, localizada no centro
daniel dos santos/divulgação
O Som da Terra. Grupo é composto por 25 pessoas, que atuam nas apresentações culturais e nos ensaios na sede, localizada no centro

Contagem é um dos redutos da cultura afro-brasileira em Minas Gerais. E buscando destacar os valores herdados da origem africana, uma das principais contribuintes na construção da sociedade, o grupo O Som da Terra tem se consolidado no cenário artístico da cidade.

O grupo oficial é composto por 25 pessoas, que atuam nas apresentações culturais e nos ensaios regulares realizados aos sábados, na sede da Associação Sociedade Cultural e Religiosa de Minas Gerais – SCRMG (Àbassá Sàngó Àlàáfin), localizada no centro de Contagem. Dois componentes principais de O Som da Terra são arte-educadores, que realizam durante o período de seis meses, em 2014 e 2015, oficinas de dança para crianças de 6 a 16 anos, nos turnos da manhã e tarde, dentro do projeto Mais Cultura nas Escolas, totalizando 60 crianças em duas turmas.

As apresentações artísticas do grupo O Som da Terra são compostas por espetáculos de dança, canto e percussão, com enfoque nas religiões de matriz africana. Assim, os artistas também representam danças afro-brasileiras ligadas a rituais e festas populares, reconhecidas como um dos pilares da estruturação cultural do país.

Origem da iniciativa

A ideia para criação do grupo O Som da Terra começou em meados de 2012, quando aconteceram os primeiros ensaios. Nessa ocasião, foram definidos o nome e seguimento a que o grupo iria aderir.

Em 2013 foi realizada a primeira apresentação do grupo, na Feijoada do Jorge, realizada pela Associação Sociedade Cultural e Religiosa de Minas Gerais, com a presença de um público bastante diversificado. Em 2014, o grupo passou a fazer parte do estatuto social da associação.

Segundo o coordenador cultural do grupo, Daniel dos Santos, os participantes do grupo não possuem formação artística. “Eles são membros da associação e pessoas da comunidade que antes antes não haviam vivenciado o mundo das artes”, conta. O grupo conta ainda com os ensinamentos da arte educadora e coreografa Faby Pansica, que atua como artista e concentra suas atividades na área da dança afro-brasileira e danças étnicas, modalidade que valoriza as diversas culturas dos povos.

A sede do grupo O Som da Terra fica localizada na rua Joaquim Camargos, 310, no centro Contagem. Telefone: 3031-6264. O público também pode conhecer mais o trabalho, visitando a página dos artistas no Facebook: www.facebook.com/grupoosomdaterra.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave