Premiê diz que Netanyahu é 'tão criminoso quanto terroristas de Paris'

Primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, acusa líder israelense por massacre de palestinos em Gaza

iG Minas Gerais | Folhapress |

O presidente francês, Francois Hollande (direita) dá boas-vindas ao premiê israelense, Benjamin Netanyahu
AFP PHOTO / DOMINIQUE FAGET
O presidente francês, Francois Hollande (direita) dá boas-vindas ao premiê israelense, Benjamin Netanyahu

O primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, afirmou nesta quinta-feira (15) que seu homólogo israelense, Bynyamin Netanyahu, é tão criminoso quanto os terroristas de Paris.

"Ao liderar um governo que faz bombardeios contra crianças que brincam na praia de Gaza, que transforma o massacre de palestinos em algo natural, que mata nossos cidadãos em águas internacionais em um navio humanitário, Netanyahu comete um crime contra a humanidade igual ao dos terroristas que realizaram o massacre de Paris", afirmou. durante coletiva de imprensa.

'Charlie Hebdo'

Davutoglu ainda atacou a nova edição do jornal "Charlie Hebdo", cuja sede foi atacada no dia 7 por dois terroristas islâmicos, Said e Chérif Kouachi. A capa da nova publicação tem uma caricatura de Maomé chorando, segurando um cartaz onde se lê "je suis Charlie", slogan de campanha em apoio ao semanário sob a frase "tout est pardonné" (tudo está perdoado"), em referência ao atentado.

"A publicação da caricatura é uma grave proovcação (...) liberdade de imprensa não significa liberdade de insultar", disse. "Não podemos aceitar os insultos ao profeta Maomé", completou.

A Turquia foi o único país muçulmano a publicar charges do periódico. Ainda assim, apenas o jornal "Cumhuriyet", de Istambul, publicou algumas das charges do "Charlie Hebdo". A publicação turca ofereceu a seus leitores quatro páginas de charges e textos do semanário satírico francês.

Segundo o periódico, a intenção inicial era exibir a edição integral, incluindo a capa com a caricatura de Maomé, mas que a mudança aconteceu após uma reunião de editores. Mesmo assim, dois colunistas publicaram o desenho em seus espaços.

O "Cumhuriyet" informou que, durante a madrugada, policiais pararam caminhões que deixavam a gráfica da publicação, em Istambul, para ver o conteúdo do jornal e que os agentes só liberaram a edição após ver que não havia a caricatura de Maomé.

Na cidade de Diyarbakir, no oeste do país, um tribunal proibiu na quarta (14) o acesso a sites que mostrem a capa do jornal satírico francês em todo o território nacional.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave