A voz Celeste

iG Minas Gerais |

Saudações celestes, nação azul. Sempre que escrevo, dou uma circulada nas redes sociais para ver o sentimento do torcedor sobre alguns nomes e tentar expressar minha opinião de forma coerente. Fui surpreendido com alguns torcedores do 6a1o falando da “quarta-feira do Goulart”, que, por ele ter ido embora, não chegará. Entretanto, vale lembrar que estou esperando até hoje a final no Marrocos e não na Bahia. Agora falando do que importa, vejo parte considerável da maior torcida de Minas descontente com a possível vinda de Riascos para a Toca. Quando vem algum jogador de que eu não agrado, eu canto por ele na arquibancada esperando que supere minhas expectativas. Temos que suprir à altura o lugar deixado por Ricardo Goulart, então que seja com um jogador no mesmo nível ou pelo menos próximo!

Avacoelhada

Apesar das improvisações, a comissão técnica realizou coletivo na semana passada, com grande presença dos pratas da casa. Quando Xavier foi improvisado na lateral esquerda do sub-20, o técnico Milagres foi bastante questionado. Afinal, o jogador é muito mais produtivo e eficiente no meio de campo. Do mesmo modo, Júnior Lemos, na função de articulador, é mais eficaz do que na lateral direita. Parece que Kaio também jogou improvisado de atacante. Renatinho e Assis confirmaram a vocação de goleadores e marcaram os dois gols do treinamento. Renatinho, artilheiro do Mineiro, com 16 gols, desde o ano passado deveria ter começado o trabalho de aprimoramento físico e participado do mesmo processo de reforço muscular feito com Henrique. Nesta sexta-feira, show de Dimas Moreira, conselheiro do América, às 21h, no Matriz Cultural.

A voz da Massa

Saudações alvinegras. Dias atrás, eu falei aqui sobre o desafio que Levir Culpi tinha de encaixar Réver em um time titular que já possuía a melhor dupla de zaga do Brasil: Jemerson e Leonardo Silva. Mas a notícia de que o nosso capitão foi embora para o Inter chegou e nos deixou baqueados. Que pena! Para a Massa, essa notícia não foi boa, pois Réver era considerado o xerifão do Galo. Para o jogador, foi bom, porque, se ficasse aqui, provavelmente teria que encarar o banco, o que para um craque do naipe dele é até pecado! A Massa nunca esquecerá a contribuição que ele trouxe ao Galo e sempre guardará aquela cena com o zagueirão levantando a taça da Libertadores 2013, um momento que ilustra bem o que Réver representou para o nosso time. Obrigado por tudo, Xerifão, e saiba que você sempre terá lugar de honra na memória atleticana.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave