MPF: 'Cerveró faz parte da maior organização criminosa da história'

Segundo os procuradores, mesmo com as investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF), a continuidade do esquema de corrupção não foi estancada

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

PR - OPERAÇÃO LAVA JATO/PRISÃO/CERVERÓ - POLÍTICA - Agentes da Polícia Federal conduzem o ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró.   Acusado de envolvimento na Operação Lava Jato, ele foi detido ao desembarcar no Aeroporto   Internacional Tom Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro, de um voo proveniente de Londres, e levado para a   carceragem da PF em Curitiba, onde estão presos os outros investigados na Operação Lava Jato.     14/01/2015 - Foto: JONATHAN CAMPOS/AGÊNCIA DE NOTÍCIAS GAZETA DO POVO/ESTADÃO CONTEÚDO ta15011
ESTADÃO CONTEÚDO
PR - OPERAÇÃO LAVA JATO/PRISÃO/CERVERÓ - POLÍTICA - Agentes da Polícia Federal conduzem o ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró. Acusado de envolvimento na Operação Lava Jato, ele foi detido ao desembarcar no Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro, de um voo proveniente de Londres, e levado para a carceragem da PF em Curitiba, onde estão presos os outros investigados na Operação Lava Jato. 14/01/2015 - Foto: JONATHAN CAMPOS/AGÊNCIA DE NOTÍCIAS GAZETA DO POVO/ESTADÃO CONTEÚDO ta15011

O Ministério Público Federal (MPF) enfatiza no pedido de prisão do ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró que ele faz parte da "maior organização criminosa que a história já revelou" no país.

Segundo os procuradores, mesmo com as investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF), a continuidade do esquema de corrupção não foi estancada. A prisão foi determinada no dia 1º de janeiro, mas efetivada somente nesta quarta-feira (14) porque Cerveró estava em Londres.

Segundo os procuradores, há evidências de que Cerveró acumulou fortuna no Brasil e no exterior, oriunda dos crimes cometidos com os desvios da Petrobras. Segundo o MPF, foi necessária a decretação da prisão para evitar que os valores sejam ocultados da Justiça.

"O que é certo, de tudo isso, é o enriquecimento espúrio e a falta de conhecimento por parte do Estado de onde estão as dezenas de milhões de reais que recebeu criminosamente.

Sabe-se que o dinheiro não está com Cerveró, porque não está em suas contas no Brasil. Em outras palavras, tudo indica que esse dinheiro está sendo ocultado, o que também caracteriza lavagem de dinheiro", afirmam os procuradores.

Além dos valores ocultados, o Ministério Público reafirmou que mesmo após a deflagração da Lava Jato, no ano passado, ficou comprovado que o esquema de corrupção se estendeu até 2014.

"Assim sendo, neste item se observa que a dimensão econômica dos crimes praticados por Cerveró e pela organização criminosa em que se insere geram impacto gigantesco na ordem pública e econômica. Como dito, trata-se do maior escândalo de corrupção da história do Brasil. Mais do que tudo isso, é um esquema que não se tem provas de que foi estancado. Houve fatos em 2014 e, como antes demonstrado, Cerveró continua a praticar atos de lavagem. Isso tudo, mais uma vez, justifica a custódia cautelar", reafirmou o órgão.

Cerveró foi preso na madrugada de hoje, no Rio/Galeão - Aeroporto Internacional Tom Jobim, após desembarcar de um voo proveniente de Londres. Ele foi encaminhado para a Superintendência da PF em Curitiba, onde outros investigados na Lava Jato estão presos.

De acordo com relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), no dia 16 de dezembro Cerveró sacou R$ 500 mil em um fundo de previdência privada e transferiu o valor para sua filha, mesmo tendo sido alertado pela gerente do banco de que perderia 20% do valor. Em junho do ano passado, Cerveró havia transferido imóveis para seus filhos, com valores abaixo dos de mercado. Na intepretação do MPF, o ex-diretor tentou blindar seu patrimônio, e por isso a prisão foi requerida.

O advogado de Cerveró, Edson Ribeiro, disse que não houve ilegalidade na transferência de bens para parentes, e estranhou a prisão de seu cliente. “Desde 1º de abril coloquei o Nestor Cerveró à disposição tanto do Ministério Público quanto da Polícia Federal, e nenhum dos dois órgãos se interessou em ouvi-lo. Até ontem [13], ninguém o havia procurado. Além disso, quando ele foi para a Inglaterra, comuniquei ao Ministério Público e à Polícia Federal que ele estava viajando e que voltaria em janeiro. Deixei, inclusive, o endereço onde ele estava”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave