Adiada contratação de vigias armados para o Move

Licitação foi suspensa por tempo indeterminado para esclarecimento de dúvidas das empresas

iG Minas Gerais | Da Redação |

Estações do Move são alvo frequente de vândalos e assaltantes
MOISES SILVA /O Tempo
Estações do Move são alvo frequente de vândalos e assaltantes

Pela segunda vez, a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) adiou a licitação para implementar vigilância armada nas estações do Move na capital. Agora, de acordo com a autarquia, o edital está suspenso, por tempo indeterminado, por contestação das empresas concorrentes e pedidos de esclarecimentos sobre questões operacionais. Com o adiamento do certame, os serviços dos seguranças armados, que começariam a ser oferecidos em fevereiro deste ano, poderão sofrer atrasos. Desde julho do ano passado, quando se encerrou o contrato da Prefeitura de Belo Horizonte com a empresa que prestava o serviço, as estações estão sem vigilância privada. Em outubro, três dias após O TEMPO noticiar o fim do contrato, o prefeito Marcio Lacerda prometeu a admissão de 90 vigias para atuar nos 45 postos das 37 estações do Move. Sem esse reforço na segurança, casos de criminalidade não são raros. Na última quinta-feira, dois homens armados assaltaram três passageiras em um ônibus do Move, próximo à estação Aparecida, na região Noroeste da cidade. O vandalismo também tem causado transtornos aos usuários. Exemplo da estação Operários, na avenida Antônio Carlos, na altura do bairro Lagoinha, também na região Noroeste. O local foi fechado no início de dezembro do ano passado porque teve o vidro da bilheteria quebrado e computadores roubados e deverá ser reaberto somente na semana que vem.

Ocorrências Como é. Atualmente, a segurança das estações do Move é feita pela Guarda Municipal e pela Polícia Militar (PM), somente quando são acionadas ou quando há ocorrências, o que tem gerado insegurança nos passageiros.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave